Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A conjuntivite está à solta

Levantamento indica que o número de casos dessa doença aumentou quase 10% em comparação a 2016 em São Paulo

Por Vand Vieira Atualizado em 14 fev 2020, 18h25 - Publicado em 3 ago 2017, 18h30

Paulistanos devem ficar de olho na conjuntivite. Pelo menos é o que aponta uma nova pesquisa feita por especialistas do Hospital de Olhos Paulista (H.Olhos). Só entre a última quinzena de maio e a primeira metade de julho, eles realizaram 1 148 atendimentos a mais relacionados a essa condição do que o registrado durante o mesmo período no ano passado (isso representa um aumento de 9,7%).

“Em 2017, tivemos mais dias consecutivos com frio e baixa umidade, o que favorece a concentração e o deslocamento de micro-organismos no ar”, explicou o oftalmologista Antonio Nogueira Filho, chefe do pronto-socorro do H.Olhos, em comunicado à imprensa. “Além do clima seco, tal aumento se deve ao fato de que no outono e no inverno as pessoas tendem a ficar muito tempo em ambientes fechados e cheios de gente, propiciando infecções e reações alérgicas” arrematou o expert.

Coceira, vermelhidão, inchaço das pálpebras, lacrimejamento, sensibilidade à luz e sensação de ter grãos de areia nos olhos são os principais sintomas da conjuntivite. O quadro é marcado pela inflamação da membrana que reveste a parte externa do globo ocular.

Após a confirmação do diagnóstico, que deve ser feito por um oftalmologista, define-se o tratamento, geralmente à base de anti-inflamatórios e colírios lubrificantes. Vale lembrar que evitar a exposição ao sol, não levar as mãos aos olhos, lavar o rosto com sabonete neutro cerca de quatro vezes por dia e fazer compressas com algodão ou gaze e água filtrada gelada são práticas importantes nesses casos.

Também é essencial o afastamento de atividades escolares e profissionais durante o período de transmissão do vírus causador da conjuntivite. Ou seja, são de sete e 14 dias em casa após o início do problema.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês