Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Crianças e adolescentes com alergia alimentar têm pior qualidade de vida

As restrições à comida acabam gerando muita preocupação com a exposição a esses itens proibidos fora de casa, o que tem um grande impacto social

Por Gabriela Cupani, da Agência Einstein* 14 jul 2022, 17h01

Quem convive com crianças e adolescentes que precisam evitar certos alimentos sabe do impacto disso na rotina e na qualidade de vida. E quanto mais grave a alergia alimentar e mais tardio o diagnóstico, pior o efeito. Esse dado acaba de ser reforçado por uma revisão de estudos conduzida por pesquisadores canadenses da Universidade de Manitoba e publicada no periódico científico Pediatric Allergy and Immunollogy

Os cientistas analisaram informações de mais de 8 mil pacientes em 45 artigos quantitativos e outros nove qualitativos, todos associando o tema com saúde e bem-estar psicológico e social em crianças alérgicas desde o nascimento até os 19 anos. Eles avaliaram os dados sobre a saúde total, socialização, relacionamentos emocionais e desempenho funcional.

Compartilhe essa matéria via:

Segundo a pesquisa, as restrições à comida acabam gerando preocupação com a exposição a esses itens fora de casa. “Isso já aparece a partir dos 4 ou 5 anos de idade”, observa o pediatra e alergista Victor Nudelman, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. “Começa com as limitações nas festinhas, porque a criança ela sabe que não poderá comer coisas que amigos e irmãos comem”, ressalta. 

+Leia também: Alergia alimentar: ela está mais comum, mas nem tudo é culpa dela

Entre 20% e 32% das crianças também relatam sofrer bullying e afastamento dos colegas, revela o levantamento. 

Continua após a publicidade

Dos pacientes incluídos na revisão, os mais velhos e que conheciam sua limitação desde cedo tendiam a aceitar melhor a condição. Por outro lado, aqueles que descobriram o problema mais tarde sofreram mais para se adaptar. “Quanto antes o diagnóstico, melhor”, diz Nudelman.

Como não é possível simplesmente eliminar a alergia, é preciso criar um ambiente favorável, que desperte a consciência e eduque também os familiares sobre as necessidades específicas daquela criança. “A casa inteira precisa aderir. Às vezes o problema está na família, que não dá tanta importância”, nota o especialista. 

Assim, é possível aliviar o peso dessas restrições. E vale lembrar: em muitos casos o problema é passageiro, melhorando com a idade.

Cerca de 8% das crianças no mundo têm alguma forma de alergia alimentar, segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. Dois dos principais itens alergênicos na infância – leite e ovo – costumam provocar menos reações com o passar dos anos. Já as alergias aos frutos do mar, amendoim e castanhas normalmente duram por mais tempo.

*Este conteúdo é da Agência Einstein

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês