saudeLOGO Created with Sketch.

Acupuntura para aliviar a cólica dos bebês

Novo estudo sugere que a terapia chinesa combate a dor e põe um fim à choradeira

Pode ser fome, sono ou até mesmo um alerta de que é hora de trocar a fralda. No entanto, quando um bebê chora de maneira excessiva, mais precisamente acima de três horas por dia durante um período superior a três semanas, o motivo tem nome e sobrenome: cólica infantil. A condição atinge entre 10 e 40% dos recém-nascidos e, geralmente, só dá sossego quando os pequenos completam seis meses.

Como aliviar o incômodo do neném? Além de recorrer aos probióticos, um estudo publicado no periódico britânico Acupuncture in Medicine sugere que os pais podem contar com uma aliada inusitada: a acupuntura.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores separaram 147 bebês com esse diagnóstico e os dividiram em três grupos (nenhum consumia leite de vaca há pelo menos cinco dias). A primeira turma recebeu agulhadas no ponto LI4 — pouco abaixo do espaço entre os dedos polegar e indicador — e a segunda, em cinco partes diferentes do corpo, por cerca de 30 segundos.

Veja também

Duas semanas depois, essas crianças choravam menos em comparação ao terceiro grupo, que não foi submetido às sessões. Inclusive, a maioria dos bebês que passou pela acupuntura já não derramava lágrimas três horas por dia, um sinal de reversão do diagnóstico inicial.

Para melhorar, não houve registros de efeitos colaterais e 52% dos voluntários mirins permaneceram tranquilos durante o procedimento. Apenas 8% deles choraram mais de um minuto por causa da técnica.

Vale ressaltar, porém, que contraindicações existem e o aval de um médico é, sim, necessário. Bebês com problemas relacionados à coagulação, por exemplo, devem passar longe da acupuntura com agulhas. Versões em que o profissional usa os dedos para estimular certos pontos são uma alternativa.

O que desencadeia a cólica infantil: embora a causa ainda seja desconhecida, alergia à proteína ou intolerância ao açúcar do leite (lactose) de vaca, inflamações gastrointestinais, mãe fumantes e amamentação insuficiente estão na mira dos pediatras.