Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Andre Biernath Túnel do Tempo Por Blog O repórter André Biernath desenterra o passado e vislumbra o futuro da arte (e da ciência) da Medicina

Você precisa conhecer a história de Nise da Silveira

A médica brasileira mudou de uma vez por todas a maneira como as doenças psiquiátricas eram encaradas

Por André Biernath Atualizado em 11 abr 2017, 10h31 - Publicado em 2 abr 2017, 15h08

Não sei vocês, mas pra mim é sempre um dilema a hora de selecionar um filme dentro do Netflix. Alguns dias, gasto mais tempo passeando pelos títulos do que propriamente assistindo algo na plataforma. Então, resolvi fazer minha boa ação do dia e ajudar vocês nessa árdua tarefa (não tem de quê ): semana passada fui muito feliz ao escolher naquele mundaréu a produção brasileira “Nise – O coração da Loucura”, dirigida por Roberto Berliner e estrelada pela atriz Glória Pires, recém-adicionada ao catálogo do serviço de streaming.

Veja o trailer abaixo:

A película conta um trecho da vida da psiquiatra alagoana Nise da Silveira (1905-1999). Fiquei abismado com o fato de, apesar de acompanhar o jornalismo de saúde há uns bons anos, nunca ter ouvido falar da história de uma personagem tão fascinante (falha minha!). Ela se formou em 1931 na Faculdade de Medicina da Bahia — foi, aliás, a única mulher entre outros 157 homens da turma. Nos bancos escolares, ainda encontrou seu futuro marido, o sanitarista Mário Magalhães da Silveira.

Após a morte de seus pais em Maceió, o casal resolveu mudar para o Rio de Janeiro, onde ela atuou em clínicas e hospitais psiquiátricos. Porém, sua longeva simpatia ao comunismo lhe custou caro: Nise acabou denunciada por uma enfermeira e foi presa pela polícia política do Estado Novo de Getúlio Vargas. Nos 18 meses de reclusão, dividiu a cela com a militante Olga Benário e manteve contato com o escritor Graciliano Ramos, que faria relatos sobre a médica em seu famoso livro Memórias do Cárcere:

“Lamentei ver a minha conterrânea fora do mundo, longe da profissão, do hospital, dos seus queridos loucos. Sabia-se culta e boa. Rachel de Queiroz me afirmara a grandeza moral daquela pessoinha tímida, sempre a esquivar-se, a reduzir-se, como a escusar-se a tomar espaço.”

Graciliano Ramos

Após passar um tempo na clandestinidade, Nise foi contratada em 1944 para o corpo clínico do Centro Psiquiátrico Nacional Pedro II, no Rio de Janeiro — e é aqui que o filme começa. Logo de cara, ela se opõe às novas técnicas para tratar os internos e se recusa a usar eletrochoques, camisas de força e isolamentos. Ao criar atritos com seus colegas de profissão, sofre uma transferência para a seção de Terapia Ocupacional, uma área completamente desprezada e sem os mínimos recursos.

É nesse momento que Nise revoluciona o tratamento das doenças mentais, junto com o médico Fábio Sodré. Em vez de permitir que seus pacientes fizessem serviços de limpeza ou levassem sovas, práticas bastante corriqueiras até então, oferece a eles pincéis, tintas e telas brancas. Esquizofrênicos ficavam livres para se expressar por meio da arte e frequentemente desenhavam mandalas. O resultado é inacreditável: além dos indivíduos melhorarem em seu comportamento, pintam verdadeiras obras de arte.

Continua após a publicidade

Obra do paciente esquizofrênico Carlos Pertuis
Obra do paciente esquizofrênico Carlos Pertuis

O trabalho foi reunido no Museu de Imagens do Inconsciente, que ganhou projeção internacional. Alguns dos quadros foram levados para o II Congresso Internacional de Psiquiatria em 1957, na cidade suíça de Zurique. A exposição foi inaugurada pelo próprio Carl Gustav Jung, um dos maiores nomes no estudo da psique humana. Nise trocava constantes cartas com Jung, que se interessou muito pelas iniciativas realizadas em terras brasileiras.

A médica também foi pioneira ao enxergar o valor terapêutico da interação dos internos com animais. Ela permitia que seus pacientes cuidassem de vira-latas que viviam nos pátios do hospital. Essa, aliás, é uma das cenas mais tristes do filme — não vou contar o que acontece pra não estragar. Calma que a mulher é incansável e ainda fundou a Casa das Palmeiras, em 1956, o primeiro centro a inaugurar uma atividade para reinserir na sociedade indivíduos que tiveram alta.

“Não se cura além da conta. Gente curada demais é gente chata. Todo mundo tem um pouco de loucura. Vou lhes fazer um pedido: vivam a imaginação, pois ela é a nossa realidade mais profunda. Felizmente, eu nunca convivi com pessoas muito ajuizadas.”

Nise da Silveira

Hoje em dia, o acervo do Museu de Imagens do Inconsciente conta com mais de 360 mil obras e é reconhecido como “Memória do Mundo” pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, a Unesco. A médica faleceu em 1999, aos 94 anos, em decorrência de uma pneumonia.

Cena do filme "Nise - No Coração da Loucura", estrelado pela atriz Glória Pires (ao centro, de branco)
Cena do filme “Nise – No Coração da Loucura”, estrelado pela atriz Glória Pires (ao centro, de branco) Divulgação

Nise não foi apenas uma mulher à frente de seu tempo. Com sensibilidade ímpar, ela humanizou a forma como doentes mentais eram tratados. Com força e personalidade, enfrentou o preconceito, a resistência e o machismo. Com inteligência, ganhou notoriedade internacional e melhorou a vida de muita gente. Por essas e outras, sua história merece ser conhecida e homenageada.


E pra você, que outros personagens da ciência e medicina merecem ser lembrados? Deixe seu comentário abaixo ou nas redes sociais. Também me siga no Twitter ou curta minha página no Facebook.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês