Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Guenta, Coração

Por Blog
Médicos, nutricionistas e outros profissionais da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) explicam as novas (e clássicas) medidas para resguardar o peito
Continua após publicidade

Dengue: o que pacientes com problemas cardíacos precisam saber

Os anticoagulantes e antiagregantes, medicações normalmente usadas por cardiopatas, podem agravar quadros dessa infecção transmitida pelo Aedes aegypti

Por Idelzuita Leandro Liporace, cardiologista*
12 fev 2024, 10h13

Infelizmente, a dengue está sendo a protagonista do verão brasileiro. Em janeiro de 2024, foram registrados mais de 217 mil casos, segundo dados do Ministério da Saúde – mais que o triplo das notificações do mesmo período do ano passado, quando as autoridades sanitárias contabilizaram 65 366 infecções transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

A dengue causa sintomas como febre alta, dores no corpo, manchas avermelhadas e pode ser fatal. Os óbitos acontecem na ocorrência de complicações, como queda brusca da pressão arterial ou hemorragias.

Mas a dengue preocupa especialmente pacientes crônicos, como aqueles com doença cardíaca. Isso porque muitos cardiopatas fazem uso de anticoagulantes e antiagregantes, remédios de uso contínuo voltados a evitar a formação de coágulos, que provocam a obstrução da circulação sanguínea. 

+Leia também: Quem está com dengue não pode tomar quais remédios?

Acontece que a dengue também compromete a coagulação do sangue. Ou seja, esses medicamentos potencializam o risco de hemorragias importantes provocadas pela infecção.

Perante a dengue hemorrágica, a forma mais grave da doença, a suspensão desses medicamentos deverá ser imediata. Já quando o diagnóstico for da dengue comum, a decisão de interromper o uso de anticoagulantes e antiagregantes plaquetários caberá ao cardiologista. 

Continua após a publicidade

Mesmo a aspirina – tomada regularmente por muitos em caráter preventivo para tromboses naqueles com doenças vasculares – não deve ser continuada em caso de dengue hemorrágica. Apesar de potencialmente com ação anticoagulante mais leve, ela pode agravar hemorragias nesses pacientes.

A recomendação do Ministério da Saúde é, diante do diagnóstico de dengue, seguir alguns protocolos. Entre eles:

  • Se usar anticoagulantes ou antiagregantes e se a contagem das plaquetas estiver acima de 50 mil/mm3, não há porque retirar os remédios. 
  • Já entre 30 mil e 50 mil/mm³, a orientação é internação para controle plaquetário de rotina. A suspensão das drogas depende do tipo de medicação. 
  • Quando as plaquetas estiverem abaixo de 30 mil mm³, o controle do sangue deve ser diário, com total cessação de anticoagulantes e antiagregantes. Nesses casos, também pode haver necessidade de transfusão de plaquetas.

É importante lembrar que a pessoa com dengue tem risco de evoluir de um estágio a outro rapidamente. Por esse motivo, todos necessitam de reavaliação frequente até a alta completa.

Prevenção ainda é a palavra de ordem

Desde o ano passado, a rede privada de saúde oferece a Qdenga, uma vacina desenvolvida pelo laboratório japonês Takeda. São recomendadas duas doses com intervalo de três meses entre elas – e a imunização adequada é conferida um mês após a segunda aplicação. 

A vacina é contraindicada para gestantes, lactantes e imunodeprimidos.

Continua após a publicidade

O Ministério da Saúde também aplicará a Qdenga em populações específicas – é uma minoria de pessoas, porque há poucas doses disponíveis. 

Apesar de este movimento vacinal ter sido iniciado, não existe um tratamento específico para a dengue. Por isso, o melhor caminho para manter distância dessa infecção é exterminar os focos de água e tomar medidas para não ser alvo do mosquito, como usar repelentes. 

Especialmente para quem tem uma doença cardiovascular, essas medidas são muito valiosas. 

*Idelzuita Leandro Liporace é assessora científica da SOCESP – Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, doutora em medicina pela USP e coordenadora do Setor de Anticoagulação Oral do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.