Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
O Futuro do Diabetes Por Blog Carlos Eduardo Barra Couri é endocrinologista e pesquisador da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), além de autor do livro O Futuro do Diabete (Ed. Abril). Aqui ele mapeia os cuidados e os avanços para o controle do problema

Cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém

Reflexões com base na ciência das indicações e limitações da cirurgia bariátrica no tratamento do diabete

Por Dr. Carlos Eduardo Barra Couri 9 fev 2017, 11h32

Existem ditados que de tão antigos e corretos fazem parte do nosso cotidiano há décadas. Um deles é “cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém”. Esta é uma das frases mais sábias para empregar no dia a dia, inclusive no exercício da Medicina.

Ora, vira e mexe surgem novos remédios, tratamentos e procedimentos cirúrgicos nas mais diversas áreas da saúde. Em paralelo, vivemos uma conexão cada vez maior entre médicos e pacientes por meio da Internet e das redes sociais (como eu estou fazendo agora!). E por isso mesmo devemos ter bastante cuidado com generalizações, depoimentos e experiências difundidos por aí.

A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso) são muito claras em informar que cirurgia bariátrica (ou metabólica) pode e deve ser feita, na ausência de contraindicações, em pessoas com diabete tipo 2 (controlado ou não) e índice de massa corporal (IMC) maior ou igual a 40.

Ou em indivíduos diabéticos com IMC maior ou igual a 35, desde que o controle glicêmico não tenha sido atingido por outras medidas clínicas já adotadas. Lembro que o cálculo do IMC é obtido pela divisão do peso (kg) pela altura (m) ao quadrado.

Sabemos também que existem outros parâmetros além do IMC para indicar a cirurgia, como circunferência da cintura, presença de outros fatores de risco cardiovascular etc. Porém, a maioria dos estudos a respeito foi feita levando em conta a avaliação do IMC.

Continua após a publicidade

Daí que a Federação Internacional de Diabete (IDF) reconhece a cirurgia bariátrica como uma opção terapêutica para pessoas com diabete tipo 2 e IMC maior ou igual a 30. Entretanto, essa medida não é completamente estabelecida no mundo todo, inclusive não sendo totalmente aceita pelas entidades SBD, SBEM e Abeso.

Leia também: O diabete vai quebrar o Brasil

Não tenho dúvidas de que a cirurgia bariátrica é uma alternativa terapêutica a ser utilizada em situações específicas de diabete tipo 2. Quando a operação é bem indicada, o paciente apresenta uma melhora excepcional da qualidade de vida, menor risco de doença cardiovascular e menor risco de morte. Mas devemos admitir que há muitas dúvidas e questionamentos até os dias de hoje: qual a melhor técnica cirúrgica? Qual o IMC mais adequado? Qual a melhor idade para se operar? Quais as sequelas da cirurgia? É verdade que há necessidade de uso de vitaminas pelo resto da vida após o procedimento? E os vômitos? E a mudança no paladar?

Para aumentar ainda as dúvidas da sociedade em geral, figuras públicas como Romário e Faustão realizaram um tipo de cirurgia considerada experimental no Brasil e com indicações duvidosas no mundo científico… Que dirá na vida real?!

Vale destacar que a indicação do procedimento deve ser feita pelo médico que acompanha e conhece o paciente, seus hábitos e seus tratamentos anteriores. Antes de alguém se submeter à cirurgia, deve ser informado dos riscos e benefícios, bem como ser avaliado aprofundadamente por psicólogo, nutricionista e cardiologista. Com a equipe multidisciplinar em jogo, o risco de erros e percalços diminui.

Numa situação como essa, convém lembrar da boa e velha recomendação: cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)