Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
O Futuro do Diabetes Por Blog Carlos Eduardo Barra Couri é endocrinologista e pesquisador da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), além de autor do livro O Futuro do Diabete (Ed. Abril). Aqui ele mapeia os cuidados e os avanços para o controle do problema

Anticoagulantes, diabetes e doenças cardíacas: uma questão de dose

Aspirina deve ser oferecida sozinha ou junto com anticoagulante para reduzir o risco cardíaco em quem tem diabetes? Nosso colunista trata do assunto

Por Carlos Eduardo Barra Couri 4 fev 2022, 16h36

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em pessoas com diabetes e muita gente nem desconfia disso. E estamos falando especialmente de derrame cerebral e infarto do coração.

Ambas as condições estão associadas, na maioria das vezes, a uma placa de gordura nas artérias que irrigam o coração, as famosas coronárias, ou as artérias cerebrais.

Com a presença dessa placa associada a vários fatores inflamatórios, ocorre a formação de um coágulo sanguíneo que entope de vez os vasos, gerando os temidos infartos e derrames.

Há muito tempo a ciência confirma os benefícios e a segurança de se baixar o colesterol intensamente em pessoas com diabetes justamente para prevenir essas doenças cardíacas. Mas um ponto tem sido deixado de lado: a anticoagulação.

+ LEIA TAMBÉM: Promessas contra diabetes, obesidade e osteoporose estrelam evento médico

Um importante estudo chamado Compass, publicado em 2017 na prestigiada revista New England Journal of Medicine, trouxe uma discussão valiosíssima: vale a pena apenas usar aspirina para a prevenção dos coágulos ou seria melhor ser mais agressivo e utilizar um anticoagulante junto à aspirina?

Cabe lembrar que todos os pacientes incluídos na pesquisa já tinham apresentado alguma doença cardíaca prévia.

Continua após a publicidade

E qual o resultado? Aqueles que usaram aspirina acompanhada do anticoagulante rivaroxabana em doses baixas tiveram menos derrames, infarto e morte por causas cardíacas do que aqueles que ficaram só na aspirina. E justamente o grupo de pessoas com diabetes teve um benefício ainda maior.

Outro achado do estudo foi a redução de amputações das pernas em indivíduos que já tinham sintomas de má circulação.

Compartilhe essa matéria via:

O grande temor nesse trabalho era o risco de sangramentos (mais comumente o gastrointestinal), já que a combinação de aspirina com anticoagulante aumenta ainda mais o perigo desse efeito colateral. Daí porque se usou uma dose menor do anticoagulante.

De qualquer forma, apesar de o risco de sangramento seguir maior no grupo que recorreu à aspirina e ao anticoagulante, o benefício cardiovascular desse esquema também foi superior. A balança pesou, portanto, para esse lado.

Por isso, a maioria das sociedades médicas, inclusive a Associação Americana de Diabetes e a Sociedade Europeia de Cardiologia, recomenda atualmente a união da aspirina a uma dose baixa de rivaroxabana em pessoas com diabetes e que tiveram doenças cardíacas prévias.

Mas, claro, essas recomendações não são universais. Cabe ao médico discutir com o paciente e pesar os prós e contras em cada caso.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês