Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Por que pacientes com câncer devem falar abertamente sobre a doença

Para especialistas, pacientes oncológicos podem ajudar a acabar com o medo e preconceito que cercam a doença. Para isso, é preciso falar sobre a condição

Por Daniel Herchenhorn e Ricardo Salgado, oncologistas*
21 dez 2022, 09h37

No Brasil, ainda persiste no imaginário popular a ideia de que a pessoa com câncer está fadada ao sofrimento e à morte a curto prazo. A crença leva muitos pacientes a omitirem a doença para que o comportamento dos que estão a sua volta não mude e também para evitar o afastamento de familiares e a perda do emprego ou de negócios.

Mas, nos últimos anos, os tratamentos evoluíram de tal forma que permitem o controle e, dependendo do quadro, até a cura do câncer. Certas patologias inclusive já são tratadas como doenças crônicas.

Por isso, o paciente que recebe o diagnóstico ou está em tratamento deve falar abertamente sobre a doença. Não só para trazer esperança e informação aos que também lutam contra o câncer, mas para ajudar a pôr fim ao estigma que cerca a enfermidade. Assistir a isso de perto nos últimos 30 anos nos fez querer sinalizar a importância dessa contribuição.

Tornar pública a condição de “doente” não é tarefa fácil. Em vários países, os pacientes são ativos, expõem-se, falam sobre o câncer e participam das decisões médicas graças ao conhecimento adquirido na internet e nas comunidades de pacientes on-line.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Existem até os pacientes “digitais”, que são tema de um artigo recente da revista da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, cujo título numa tradução adaptada seria: “A mudança na postura dos pacientes com câncer: de meros espectadores a jogadores ativos”.

Os pacientes “digitais” se transformaram em especialistas em câncer graças ao livre acesso à informação e à literatura médica, à alfabetização em saúde e à expansão de grupos em redes sociais.

Continua após a publicidade

Além de focarem no autocuidado, eles se envolvem no desenvolvimento de pesquisas, na criação de diretrizes e até no estímulo à formulação de políticas sobre a doença.

Segundo um estudo da University Medical Center Hamburg-Eppendorf, na Alemanha, pacientes que participam de comunidades são mais seguros na escolha do caminho a seguir. Mesmo porque, em geral, não há apenas uma, mas diversas maneiras de tratar a mesma doença.

+ Leia também: Novas fronteiras no cerco ao câncer

Com a evolução de exames, tratamentos e tecnologias, tumores que antes eram difíceis de ser tratados – como nos rins, nos pulmões ou na pele (melanoma) –, agora são objeto de terapias eficazes.

As opções vão de comprimidos até formas de imunoterapia, que não têm o estigma e os efeitos adversos da quimioterapia. O avanço da genética propiciou não apenas terapias mais direcionadas, mas a prevenção no contexto familiar.

Em alguns países, como nos Estados Unidos, associações de pacientes mobilizam parlamentares para a aprovação de leis em favor de pesquisas sobre o câncer e medicamentos.

Continua após a publicidade

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

O paciente brasileiro

Em nosso país, essa mobilização é restrita. Cabe lembrar que as pesquisas são vitais para o avanço dos tratamentos e que as terapias inovadoras têm maior custo. Infelizmente, o tema não é debatido pela sociedade, apesar de importante para a saúde pública e privada.

Nesse cenário, uma exceção é o câncer de mama. Pessoas públicas expuseram sua condição, o que estimulou as mulheres a falarem sobre esse tipo de tumor, ampliando a conscientização sobre a prevenção e novas terapias.

Continua após a publicidade

Hoje, a campanha “Outubro Rosa” se popularizou, incentivando a realização de mamografia e o diagnóstico precoce. Situação parecida, mas ainda incipiente, ocorre com o câncer nos homens, em especial o de próstata – em parte pelo medo de seu impacto sobre a vida sexual.

+ Leia também: Teste genético se torna decisivo no combate ao câncer

Quem recebe o diagnóstico, se submete ao tratamento e assume publicamente o câncer cumpre o papel relevante de tranquilizar aqueles que enfrentam ou vão enfrentar uma doença considerada tabu.

Continua após a publicidade

Se os pacientes se calarem, a maioria dos brasileiros só vão conhecer as pessoas em estado grave e/ou que não tiveram êxito no tratamento. Dessa forma, manterão uma condição passiva e errônea sobre doença e suas consequências.

A população precisa saber que em muitos casos o câncer tem cura, que as opções terapêuticas podem torná-lo uma doença crônica e que novas terapias cada vez mais ativas e precisas têm surgido, modificando a história dos pacientes.

*Daniel Herchenhorn é oncologista clínico da Oncologia D’Or e professor da Universidade da Califórnia, San Diego, nos Estados Unidos, e Ricardo Salgado é oncologista clínico da Oncologia D’Or e membro da American Society of Clinical Oncology desde 1994.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.