Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Perda de urina não é normal em nenhuma idade

Hoje é o Dia Mundial de Combate à Incontinência Urinária. E um especialista desmistifica a importância de prestar atenção aos sintomas e procurar tratamento

Por Carlos Sacomani, urologista*
14 mar 2022, 10h47

Nós, médicos e demais profissionais de saúde, definimos incontinência urinária como a perda involuntária de urina. Em outras palavras, é o escape de urina sem qualquer controle. A situação acomete de 25 a 40% das mulheres e até 15% dos homens.

O quadro está relacionado a problemas que envolvem a bexiga, a musculatura pélvica (que suporta órgãos como a própria bexiga, o útero, a próstata e a porção final do intestino), além dos músculos responsáveis pelo controle urinário (os esfíncteres).

É fundamental determinar o que está por trás da incontinência, investigação que deve ser feita junto a um urologista ou ginecologista. E, sim, a condição está diretamente relacionada à piora na qualidade de vida.

Cerca de 30% das pessoas incontinentes apresentam depressão ou ansiedade. Os pacientes relatam vergonha, mal-estar, descontrole emocional, insegurança e até sentimento de culpa.

Continua após a publicidade

Quanto maior a intensidade, maior é o transtorno social e psicológico. O indivíduo acaba se afastando dos outros, evita lugares públicos, pode ter dificuldades com as atividades profissionais e necessitar de fraldas ou absorventes.

Existem, basicamente, dois tipos de incontinência urinária: a de esforço e a de urgência. Na primeira, ao fazer exercícios, tossir, espirrar e carregar pesos, ocorre involuntariamente a perda de urina.

Na segunda, o sujeito sente a vontade de urinar e precisa ir rapidamente ao banheiro; caso contrário, ocorre o escape.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

A incontinência urinária é mais comum com o avançar da idade. Estudos demonstram que, após os 80 anos, mais de 50% dos homens e mulheres relatam o problema em várias intensidades.

Mas temos uma boa notícia: há muitos tratamentos disponíveis. Fisioterapia, medicações e cirurgias podem levar à cura ou a uma importante melhora do quadro.

Continua após a publicidade

No entanto, é preciso afastar o preconceito e o medo, procurar ajuda médica, ter a causa diagnosticada e a modalidade de tratamento definida.

Em alguns casos, a incontinência urinária pode ser secundária a cirurgias e radioterapia para tratar outras doenças. A intervenção cirúrgica para o câncer de próstata (prostatectomia) resulta na perda do controle da urina em 5% dos pacientes operados. Mesmo com o advento das modernas técnicas de cirurgia robótica, o risco existe.

Compartilhe essa matéria via:

Ainda assim, de novo uma boa notícia, há tratamento! E a população precisa saber disso. Por isso a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU-SP) e outras entidades fazem campanhas de conscientização.

Como médicos, nosso dever é questionar os pacientes, principalmente os mais idosos, a respeito da existência do sintoma.

No Dia Mundial de Combate à Incontinência Urinária, o momento é propício para cobrarmos políticas públicas que auxiliem os cidadãos com o problema e estimulem pessoas que suspeitam da condição a buscar apoio na medicina.

Continua após a publicidade

Uma conversa franca ajuda no entendimento da causa e na indicação do tratamento. É preciso entender de vez que a incontinência urinária não é normal em nenhuma idade e impacta negativamente a qualidade de vida. Mas, felizmente, tem solução!

* Carlos Sacomani é urologista, doutor em ciências pela USP e diretor da Sociedade Brasileira de Urologia – São Paulo

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.