Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Para além da pele: exposição prolongada ao sol traz riscos ao cérebro

Perda de coordenação, alterações de memória, mudanças comportamentais. O excesso de radiação solar e o calorão também podem afetar a cabeça

Por Feres Chaddad, neurocirurgião*
7 jan 2024, 11h00

A chegada do verão e as ondas de calor extremo merecem atenção, e não apenas pelo risco de câncer de pele, queimaduras, insolações e desidratação. A exposição solar prolongada e sem proteção pode, inclusive, afetar o cérebro e causar danos neurológicos graves.

Sintomas iniciais e preocupantes

Os sintomas mais comuns de que o cérebro está sofrendo com o excesso de calor e radiação solar são tonturas, fadiga, náuseas e dor de cabeça, que podem evoluir para aumento da temperatura corporal. Sinais de alerta mais sérios são confusão e desorientação mental, que pode se manifestar com mudanças de humor extremas.

Prejuízos na coordenação e produtividade

Um efeito importante, apontado no estudo Direct exposure of the head to solar heat radiation impairs motor-cognitive performance, evidencia que essa exposição prolongada provoca uma elevação da temperatura do sistema nervoso central em 1°C. Isso traz prejuízos que englobam desconforto, perda de coordenação e diminuição da capacidade de trabalho físico.

Em alta incidência, os raios solares podem também acarretar danos neurológicos a longo prazo, comprometendo a memória, os movimentos dos olhos, a integração de informações auditivas e o comportamento emocional.

+Leia também: Pele a salvo: como se cuidar contra o câncer

Continua após a publicidade

Aumento do risco de AVC

Segundo a pesquisa “Hot weather associated with increased stroke risk in older people“, publicado pela Sociedade Europeia de Cardiologia, o clima quente e o excesso de sol na região da cabeça, especialmente em idosos, estão associados a acidentes vasculares cerebrais (AVC).

O trabalho incluiu participantes de 65 anos ou mais que foram transportados para hospitais de emergência entre 2012 e 2019 com início do AVC nos meses seguintes à estação chuvosa e mostrou que para cada aumento de 1°C na temperatura, houve um risco 35% maior de visitas hospitalares.

Compartilhe essa matéria via:

Prevenção

Para evitar esses problemas, vale evitar o contato excessivo com os raios solares, principalmente se estiver sem a proteção necessária. Beber bastante água também é fundamental, pois a desidratação é um fator de risco indireto para queda de pressão e AVC.

Continua após a publicidade

Se sentir qualquer mal-estar ou alteração neurológica, deve-se procurar atendimento médico de emergência.

As pesquisas sobre os efeitos da exposição ao sol ao longo dos anos ainda são recentes, mas, diante das alterações climáticas que temos vivenciado, existe a necessidade de incluir o efeito do aquecimento radiativo da luz solar na cabeça e pescoço em futuras avaliações científicas.

*Feres Chaddad é Professor e Chefe da Disciplina de Neurocirurgia da UNIFESP, Chefe da Neurocirurgia da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo – e um dos maiores especialistas em neurocirurgia no país.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.