Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Paciente do futuro: o protagonista da própria saúde

Profissionais de saúde também sonham com o paciente “perfeito”, sabia?

Por Mariana Schamas, cinesiologista*
22 jul 2023, 09h26

Quem aqui já criou na imaginação o profissional da saúde ideal, seja ele médico, terapeuta, dentista, enfermeira, fisioterapeuta, psicóloga, etc.?

Gentil, atencioso, escuta atentamente, olha nos olhos, nos acolhe bem e sugere um tratamento que criamos na nossa cabeça e achamos “perfeito”!

Pois saiba que o mesmo acontece do outro lado.

Nós, profissionais da saúde, também criamos uma expectativa do paciente ideal, que é aquele que explica bem o que sente, faz perguntas e se interessa, faz tudo que recomendamos e consequentemente melhora. O paciente “perfeito”.

+ Leia também: Causas de transtornos psiquiátricos na vida profissional

Será que tudo isso é pura ficção? É claro que expectativas irreais acabam gerando frustrações e insucesso em qualquer tratamento. Mas, e se essas pessoas fossem possíveis?

De um lado, o profissional capaz, gentil, bom ouvinte e competente. Do outro, o paciente atento, comunicativo e ativo no seu cuidado? Seria maravilhoso! E eu percebo que estamos caminhando para um futuro promissor, se cada um for fazendo a sua parte.

O paciente protagonista

Na faculdade, nos ensinaram a conduzir uma consulta sempre de maneira hierárquica, ou seja, o profissional da saúde sabe tudo e o paciente, nada.

Nunca achei isso justo. Quando me especializei em dor crônica, e digo que me especializo todos os dias, me foi ensinado que o relato do paciente é sempre a informação mais importante. Para mim, é algo óbvio.

Continua após a publicidade

O paciente é especialista nele, ele que sente, ele que convive com tudo que percebe nas 24 horas do seu dia.

+ Leia também: Doença de Parkinson pode ser detectada precocemente por smartwatches

Hoje, a neurociência nos diz que o paciente deve ser membro ativo nas decisões do tratamento, opinando e, juntamente com os especialistas, decidindo a melhor conduta terapêutica. Agora sim, chegamos ao que eu chamo de “Paciente do Futuro”, o protagonista.

Segundo o artigo “Busca de informações de saúde na Internet e a relação médico-paciente: uma revisão sistemática”, publicado em 2017 pelo Journal of Medical Internet Research, pacientes consultam o Google antes de ir ao médico; na consulta ficam atentos e tendem a avaliar se o profissional é bom ou ruim com base no que viram antes, na internet.

Continua após a publicidade

Vejam como o comportamento humano mudou!

Mas e essas influências?

E agora, com o avanço tecnológico e tantas ferramentas de inteligência artificial disponíveis, como ficará essa relação? Não importa, porque o que eu chamo de paciente do futuro saberá lidar com tudo isso!

O “paciente”, de uma forma ou de outra, sempre foi influenciado. Antes, era pelo que eu chamo de “medicina do vizinho”: aquela amiga que está tomando tal remédio para tal coisa e deu certo, então deve ser bom pra mim também.

Depois, passamos para a era do “Dr. Google”, onde pesquisas como a que eu citei acima mostram que as pessoas confiam mais no Google em vez de confiar no especialista em saúde.

Continua após a publicidade

Agora estamos entrando na era “Dra. IA Chat GPT.”

“O que será, que será…”, diria Chico Buarque. O mais importante aqui é descobrir como lidar com esse comportamento e com a crença generalizada de que a internet sabe mais e é soberana.

A resposta deve ser formando e informando, educando, incluindo paciente nas decisões, conversando… E entendendo o que essa busca feita previamente significa para ele.

Ninguém é soberano. E todos, dentro de suas capacidades e limitações, podem contribuir para a melhora do protagonista.

Continua após a publicidade

Características do paciente do futuro

Em quantas delas você se encaixa?

  • Busca ajuda
  • É especialista em si mesmo
  • Está aberto a conversar e trocar saberes
  • Comunica o que sente sem medo
  • Questiona e opina na proposta terapêutica junto com o profissional
  • Conta o que já fez que funcionou, o que não funcionou e por que
  • Decide junto com os profissionais
  • Se responsabiliza pela sua parte do combinado
  • Aprende a acessar informações científicas seguras
  • Usa a internet a seu favor (lembrando que os profissionais da saúde têm como obrigação informar seus pacientes sobre fontes seguras e confiáveis)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere a abordagem do Cuidado Centrado no Paciente, ou seja, que o profissional reconheça que, antes das pessoas se tornarem pacientes, elas são seres humanos, capazes de se tornarem responsáveis a fim de promover e proteger sua saúde.

Ou seja, os especialistas devem se preocupar em se comunicar mais e melhor, compartilhar e respeitar. O paciente do futuro, protagonista da sua saúde, só vai prosperar se o profissional da saúde for do futuro também!

Em breve, outro artigo sobre o tema.

Continua após a publicidade

* Mariana Schamas é cinesiologista, pós-graduada em dor, criadora do método ECAD e aplicativo DOLORI.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.