Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Os hábitos que ajudam na adaptação às lentes de contato

Apesar de as lentes trazerem praticidade ao dia a dia, muitas pessoas desistem de usá-las. Entenda os motivos e como driblá-los

Por Gerson Cespi, diretor-geral da CooperVision no Brasil
27 set 2022, 09h41

Atualmente, segundo a Sociedade Brasileira de Lentes de Contato, Córnea e Refratometria (Soblec), cerca de 3 milhões de brasileiros são usuários de lentes de contato, o que representa 1,4% da população. O porcentual é baixo quando comparamos com Europa e Estados Unidos, por exemplo, onde os índices de usuários chegam a 10% e 12%, respectivamente.

O produto traz mais praticidade para o dia a dia dos usuários, facilita a prática de esportes e, para alguns, é inclusive um fator de melhora de autoestima. Ainda assim, o número de brasileiros que desiste de utilizar as lentes de contato é elevado.

Especialistas apontam três principais motivos para esse cenário: falta de acompanhamento profissional durante o processo de adaptação, maus hábitos de consumo e escassez de informação.

O primeiro ponto de atenção é a importância do oftalmologista. Muitas pessoas compram o produto sem consultar um especialista. Isso é grave, já que o indivíduo não sabe, do ponto de vista de saúde ocular, se está apto para o uso.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Hoje, o mercado disponibiliza diversos tipos de lentes e o oftalmologista pode avaliar e indicar o modelo ideal – tanto para quem deseja dar início ao hábito como para quem tem intenção de trocar o modelo.

Já quando falamos sobre maus hábitos de consumo, os que mais podem prejudicar a adaptação às lentes de contato são: não fazer a higienização correta (a limpeza só é desnecessária no caso das lentes de descarte diário, que estão se consolidando como a melhor opção do mercado na atualidade); não respeitar o tempo de descarte; utilizar soro fisiológico; e não lavar as mãos na hora de manuseá-las.

Continua após a publicidade

De acordo com a Soblec, cerca de 6% da população do país é potencial usuária do produto, e as chances de uma boa adaptação aumentam consideravelmente com mudanças simples de hábitos.

Entre as boas ações podemos citar:

  • Lavar muito bem as mãos com água e sabão (de preferência antibacteriano) e secá-las antes de tocar nas lentes
  • Retirar as lentes antes de dormir (a não ser que haja indicação médica para usá-las nesse momento)
  • Não exceder as horas de uso recomendadas pelo especialista e pelo fabricante

Saúde ocular deve ser prioridade

Indo um pouco além do uso das lentes, é fundamental que os brasileiros comecem a se preocupar mais com a saúde ocular.

Entre 2019 e 2020, durante a pandemia, houve uma queda de 34% na realização de consultas e exames oftalmológicos, segundo um levantamento do Conselho Federal de Medicina (CFM). Só que diversos problemas podem ser evitados ou tratados caso sejam detectados precocemente.

Use a caixa de busca ou clique no índice para encontrar o verbete desejado:

O glaucoma, por exemplo, é uma doença multifatorial e uma das principais causas de cegueira no mundo. Quanto mais cedo ela for detectada, maiores as chances de sucesso com o tratamento, evitando o risco de complicações – como a perda da visão.

Continua após a publicidade

A saúde ocular infantil também merece especial atenção. Assim como os adultos, as crianças precisam passar por consultas regulares com um oftalmologista.

Dessa forma, possíveis distúrbios de visão poderão ser identificados e tratados logo nos primeiros anos de vida. É o caso da miopia infantil, que já conta inclusive com o lançamento de lentes de contato especiais capazes de diminuir sua progressão, evitando problemas graves na fase adulta.

No final, tudo é uma questão de hábito. Para quem usa lentes de contato, pequenos ajustes na rotina podem fazer a diferença na adaptação ao produto, garantindo que a pessoa possa desfrutar de todos os seus benefícios.

Já a mudança na forma de lidar com a saúde ocular, investindo em uma consulta anual com um especialista, ajuda a evitar problemas mais graves de visão no futuro.

*Gerson Cespi, diretor-geral da CooperVision no Brasil

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.