Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

O silêncio das mulheres mutiladas

Cresce número de mulheres que ficam com a saúde abalada em função de procedimentos estéticos feitos por pessoas sem capacitação, alerta médica

Por Fernanda Bortolozo, dermatologista* 27 jul 2022, 10h03

Os procedimentos estéticos são uma conquista da vida moderna que nos permite o conforto de focar não apenas na saúde propriamente dita mas também naquilo que gostaríamos de mudar para aumentar a autoestima. Porém, como esse é um mercado bilionário, há muitos aventureiros colocando em risco a vida das pessoas, especialmente a das mulheres.

Vejo com preocupação o crescimento do número de pacientes chegando ao consultório com problemas gravíssimos de saúde em decorrência de procedimentos obscuros ou mal feitos. Elas nem sequer sabem o que foi injetado em seu corpo.

Há quem diga que não passa de uma “reserva de mercado” o fato de o Conselho Federal de Medicina (CFM) e demais entidades martelarem que é preciso procurar um médico habilitado para fazer procedimentos estéticos e dermatológicos. Não se trata disso. A defesa do “ato médico” aqui envolve diretamente a segurança da paciente.

Existem milhares de mulheres no Brasil que foram mutiladas quando buscavam melhorar sua aparência para se sentirem mais bonitas e confiantes. Muitas acabam se expondo porque acreditam em informações falsas disseminadas na internet. Outras topam fazer o procedimento com não médicos ou com produtos ilegais em função do custo.

+ LEIA TAMBÉM: O que saber antes de fazer uma harmonização facial

Em comum, todas são alvo fácil desse mercado. Entregaram seu corpo a quem não tinha a menor condição de cuidar delas. Por isso o meu alerta. A saúde dessas mulheres não tem preço. Não vale a pena se arriscar nesse tipo de situação.

Continua após a publicidade

Enquanto você lê este artigo, uma mulher está tendo silicone industrial injetado no seu corpo, correndo inúmeros riscos. Sim, é um caso de saúde pública!

Isso nos leva a outro ponto importante: o preconceito contra as pessoas que passaram por esses “procedimentos” duvidosos e perigosos. Quem deveria acolher essa mulher, preservá-la e tratá-la nega atendimento porque não quer se envolver no “caso”. Tem gente que simplesmente diz que é culpa da paciente.

O fato é que as redes de saúde pública e privada não estão preparadas para enfrentar o problema. Negar que ele existe não fará com que desapareça; pelo contrário, aumentará o isolamento e a dor de quem vive com ele.

No consultório, acolho cada vez mais mulheres silenciadas, envergonhadas e sem nenhum tipo de apoio. Vejo esses casos, ouço as histórias e me comovo com elas. Nós precisamos discutir esse fenômeno e ir em busca de soluções e de atendimento qualificado. Já não podemos tapar o sol com a peneira.

Compartilhe essa matéria via:

* Fernanda Bortolozo é dermatologista e especialista em medicina estética e remodelação de glúteos

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês