Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Fertilização in vitro pode levar à menopausa?

Declaração da americana Kourtney Kardashian a respeito viralizou nas redes e no noticiário. Especialista em reprodução explica se tem fundamento ou não

Por Flávia Torelli, ginecologista*
5 abr 2022, 10h13

Recentemente, veículos de imprensa ao redor do mundo divulgaram uma declaração da celebridade americana Kourtney Kardashian a respeito do seu tratamento para engravidar. Conhecida internacionalmente, a influencer tem três filhos do primeiro relacionamento e, aos 42 anos, está tentando engravidar do seu novo parceiro.

Segundo os meios de comunicação, ela compartilhou algumas dificuldades no tratamento com fertilização in vitro (FIV) e chegou a dizer o seguinte: “A medicação que eles estão me dando me colocou na menopausa… Literalmente na menopausa”.

É indiscutível que um tratamento para engravidar não costuma ser simples e vem acompanhado de muita ansiedade e expectativa. Mas é necessário ter cuidado com esse tipo de informação e as conclusões que podem ser tiradas dela.

Primeiro porque o relato da celebridade não traz detalhes do seu tratamento e das medicações que ela estaria usando. Segundo porque a FIV não leva à menopausa.

+ ASSISTA: Médico explica as principais causas e os tratamentos para a infertilidade

O primeiro conceito que é necessário ter em mente é que a mulher nasce com sua reserva de óvulos estabelecida, cerca de 2 milhões de unidades. Mas, ao longo da vida, eles são naturalmente perdidos. Quando a mulher tem um ciclo menstrual, muitos óvulos são recrutados para apenas um de fato ovular e os outros são extintos.

Continua após a publicidade

O que acontece, num estímulo para FIV, é que, em vez de apenas um óvulo se desenvolver para a ovulação, outros também são estimulados e, assim, alguns que iriam ser naturalmente perdidos naquele ciclo menstrual são aproveitados para a fertilização.

Portanto, não ocorre aceleramento da perda natural dos óvulos nem uma indução à menopausa.

Compartilhe essa matéria via:

Também é necessário esclarecer que existem alguns tipos de medicações usadas para o estímulo dos ovários com o intuito de preparo para a coleta de óvulos e a FIV, assim como medicamentos que deixam o útero no estado ideal para receber os embriões formados.

Alguns fármacos promovem um bloqueio dos hormônios, entre eles o estrogênio, que é produzido pelos ovários e cuja falta provoca sintomas típicos da menopausa, como ondas de calor e secura vaginal. Porém, o bloqueio dos hormônios e suas repercussões são algo reversível.

Continua após a publicidade

Vale esclarecer que essas medicações também podem ser empregadas como tratamento coadjuvante de endometriose e miomas e não são indicadas a toda mulher que faz FIV. Mesmo quando prescritas, não são utilizadas por tempo prolongado.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Cada mulher é única e os tratamentos devem ser sempre individualizados. Por isso, é importante ter cuidado com algumas informações que circulam por aí, derrubar os mitos e esclarecer os fatos. Na dúvida, sobretudo se você faz um tratamento para engravidar, consulte um especialista, que levará em conta as suas particularidades.

* Flávia Torelli é ginecologista e especialista em reprodução assistida, médica assistente da Huntington Medicina Reprodutiva e do Hospital da Mulher da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.