Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Entre truques e procedimentos: a busca exagerada pelo rejuvenescimento

Médico alerta sobre uso desmedido de recursos para minimizar envelhecimento que podem sabotar saúde física e mental

Por Marcelo Sampaio, cirurgião plástico*
29 ago 2022, 18h36

A modelo canadense Linda Evangelista estava se preparando para o shooting de uma grife e resolveu revelar seu truque para ficar com uma aparência mais rejuvenescida nas fotos: o face tape (ou face lift tape). Trata-se do uso de duas fitas adesivas conectadas por um fio de elástico ajustável no rosto.

Elas têm uma cola específica para ter contato com a pele e são aplicadas em certos pontos do rosto, sendo o principal na região dos olhos, garantindo aquele efeito foxy eyes (olhos de raposa), que se estende pela testa e próximo às orelhas, e esticando a pele da mandíbula, que fica mais angulosa. A ideia é minimizar, naquele momento do uso, a flacidez, as rugas e as linhas de expressão.

É como uma maquiagem, algo que faz parte do dia a dia de modelos e atrizes, já que o face tape é projetado para permanecer invisível com o auxílio do penteado.

Só no Tiktok são mais de 211 milhões de hashtags com a palavra #facetape. Inclusive, 3 milhões fazem parte do #facetapechallange, uma competição para mostrar como o rosto muda complementamente com o adesivo.

Não há problemas em usar esse recurso vez ou outra. O problema aparece, porém, quando a pessoa fica obcecada pela aparência obtida com o truque. A utilização contínua, sem remoção adequada, também pode levar à irritação da pele (devido à cola), entupimento dos poros e acne no local da aplicação.

Mais sério ainda: pode gerar um transtorno de imagem, uma vez que a pessoa não consegue viver mais sem aquilo.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: O que saber antes de fazer uma harmonização facial

Há quem tenha recorrido à cirurgia plástica para ficar de forma definitiva com o efeito do adesivo. Um dos procedimentos que ajuda a deixar o rosto mais esticado é o lifting facial, que reposiciona a pele e remove seu excesso, restaurando os contornos perdidos. Ele precisa ser individualizado, ou seja, guiar-se pelas características físicas e as queixas da paciente.

O problema é que 99% das vezes é impossível chegar aos traços imaginários criados pelo face tape.

O grande perigo aqui é que a aparência fake diante da realidade do envelhecimento pode ser o gatilho para o desenvolvimento do transtorno dismórfico corporal, uma condição psicológica em que há preocupação excessiva com o corpo e/ou o rosto. A pessoa imagina que é capaz de alcançar aquela fisionomia e passa a buscar plásticas e outros procedimentos de forma exagerada, prejudicando sua saúde física e emocional.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Veja: não é que se deve deixar de lado recursos que podem atenuar marcas do envelhecimento e realçar a beleza de cada um. O lifting facial, por exemplo, é excelente dependendo do objetivo e da idade. Ele realmente funciona quando a pessoa quer fazer uma correção definitiva, ainda mais se está com baixa autoestima. E pode ser combinado com outros procedimentos, caso da aplicação de toxina botulínica e da blefaroplastia, cirurgia para tratar o excesso de pálpebras.

O que a pessoa precisa entender é que não se deve ficar comparando a si mesma com as outras e procurando ostentar traços imaginários. É sempre bom ter uma versão melhor de si, mas sem se descaracterizar.

Compartilhe essa matéria via:

* Marcelo Sampaio é cirurgião plástico, médico do Hospital Sírio-Libanês (SP), membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e correspondente no Brasil da American Society of Plastic Surgeons

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.