Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Endometriose profunda causa dor mais forte e maior risco de infertilidade

Doença prejudica a saúde física e mental da mulher, abalando sua qualidade de vida. Quando diagnóstico demora, a cirurgia pode se tornar a única solução

Por Mauricio Abrão, ginecologista*
3 mar 2023, 15h26

Março é o mês de conscientização da endometriose, doença caracterizada pelo implante de um tecido semelhante ao que reveste a cavidade do útero, fora do útero.

O problema afeta uma em cada 10 mulheres no Brasil, sendo 7 milhões de casos por ano, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Entre as consequências do quadro estão dor e dificuldade para engravidar.

Um estudo brasileiro, publicado na revista científica Reproductive Sciences, constatou que a endometriose profunda, conhecida por provocar lesões com mais de 5 milímetros de profundidade e nódulos de vários tamanhos, tem sido associada a sintomas de dor ainda mais intensa e um risco maior de infertilidade.

A contribuição do artigo para a medicina foi tanta que ele até recebeu uma menção por ter sido o mais lido no último ano.

Continua após a publicidade

A análise contou com a participação de 1 116 mulheres, que responderam a um questionário sobre seus sintomas e a infertilidade, sendo um dos maiores estudos mundiais já realizados sobre o tema.

Posteriormente, elas foram submetidas à laparoscopia para tratamento da doença em dois centros de referência entre os anos de 2009 e 2019.

+ Leia também: Novas luzes sobre a endometriose

Os achados apontaram que, para 76,5% das participantes, o sintoma mais frequente da endometriose profunda foi a dismenorreia (ou seja, cólica aguda durante a menstruação).

Em seguida, 44,2% se queixaram da dispareunia de profundidade, que é a dor profunda durante a relação sexual, e 36,6% reclamaram da dor pélvica, que não tem relação com o período menstrual.

A endometriose profunda pode ocorrer em locais distantes, como o pulmão, mas ocorre principalmente em ligamentos, em vários órgãos da cavidade abdominal e intestinos.

Continua após a publicidade

Tanto que a região posterior ao útero (retrocervical) aparece em primeiro lugar no ranking das áreas mais acometidas pela doença, com 75,3%. Foram seguidos por focos no peritônio (64,6%), uma membrana que reveste a cavidade abdominal, e no retossigmoide (47,7%), parte do intestino que tem o cólon e o início do reto.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Outro ponto do estudo é a questão da infertilidade, que esteve presente em 41,9% das mulheres investigadas.

Continua após a publicidade

O problema pode ocorrer por conta de alterações hormonais e/ou imunológicas ou ainda quando a doença acomete as tubas uterinas, responsáveis por levar o óvulo ao útero.

A endometriose é uma enfermidade crônica e ainda é considerada pela OMS como um problema de saúde pública por conta das dores que impactam na rotina pessoal e profissional, deixando a portadora da doença mal fisicamente e mentalmente.

Sentir dor não é normal

Por isso, a pessoa não pode postergar a consulta. Para ter ideia, hoje, o diagnóstico leva muito tempo, entre sete a 12 anos.

Continua após a publicidade

Essa identificação tardia pode levar a doença a se espalhar e causar aderências, que só são corrigidas com cirurgias, seja para a remoção de órgãos ou parte deles, como útero, ovário, bexiga e intestino.

Por outro lado, existem vários tratamentos, que vão depender dos sintomas e estágio da doença – entre as opções estão uso de hormônios e analgésicos ou anti-inflamatórios. Mas a laparoscopia e a cirurgia robótica são as únicas formas de remover os focos da doença.

É importante ainda contar com uma abordagem integrativa, que inclua apoio psicológico, dieta anti-inflamatória, a prática de atividade física e mesmo métodos complementares, como a acupuntura.

Continua após a publicidade

Quando a endometriose é bem tratada e acompanhada, a portadora tem uma excelente qualidade de vida, chegando, inclusive, a voltar a ter grandes chances de engravidar.

*Mauricio Abrão é ginecologista, professor de Ginecologia da Universidade de São Paulo, coordenador do setor de Ginecologia Avançada da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, e o primeiro médico de fora dos Estados Unidos a assumir a posição global da Associação Americana de Ginecologia Laparoscópica (AAGL), a maior Sociedade Médica mundial de Cirurgia Ginecológica

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.