Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

DPOC: desafios para cuidar melhor dos brasileiros com a doença

Desconhecimento sobre este distúrbio pulmonar e falta de acesso a diagnóstico e tratamentos ainda são barreiras importantes no país

Por Flávia Lima, jornalista e presidente da Abraf*
2 dez 2023, 10h40

Também conhecida como bronquite crônica e enfisema pulmonar, a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) representa um desafio nacional de saúde pública.

Trata-se da quarta causa de óbitos no país, segundo a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT). A estimativa é de que 7 milhões de pessoas no Brasil vivem com DPOC. Onde e como estão essas pessoas?

Estamos falando de uma doença altamente subdiagnosticada, sem cura, progressiva e incapacitante, que pode levar à falta de ar em pequenos esforços. Estamos falando de muitos pacientes para poucos médicos especialistas e centros de referência. Estamos falando ainda de uma doença desconhecida.

A pesquisa “Retrato da DPOC na Visão dos Brasileiros”, conduzida pela VEJA SAÚDE com o apoio da farmacêutica Chiesi, indicou que a falta de conscientização culmina em piores cuidados e perda da qualidade de vida.

Continua após a publicidade

Segundo o levantamento, 26% da população em geral não sabe o que significa a sigla DPOC e mais da metade não procura atendimento quando tem sintomas relacionados à ela.

É um cenário de desconhecimento, subdiagnóstico e consequente dificuldade de acesso a especialistas e a tratamento.

Eis alguns desafios para superar o quadro atual: dar visibilidade à DPOC na Atenção Primária no Sistema Único de Saúde (SUS); promover o acesso à espirometria, exame necessário para o diagnóstico; qualificar profissionais de saúde não especialistas para que possam reconhecer e cuidar dos portadores; expandir e desburocratizar o acesso a tratamento no SUS.

Continua após a publicidade

+ Leia também: A velha nova batalha contra a doença pulmonar obstrutiva crônica, a DPOC

Ainda, não podemos falar de DPOC sem mencionar que o tabagismo é uma das principais causas da doença. Os cigarros eletrônicos, usados principalmente pelos mais jovens, podem levar ao crescimento de casos de DPOC na população brasileira, um alerta que tem sido feito por diversas instituições.

Combater qualquer forma de fumar também é um dos desafios para cuidarmos melhor da saúde pulmonar da nossa população.

Continua após a publicidade

As organizações de pacientes têm muito a contribuir nesse cenário de desafios, dialogando com os médicos, participando da discussão sobre a elaboração de políticas públicas e protocolos ou estabelecendo canais de atendimento à população, para oferecer informações sobre locais de tratamento, centros de referência e direitos dos pacientes.

Na Associação Brasileira de Apoio à Família com Hipertensão Pulmonar e Doenças Correlatas (Abraf), recebemos pessoas que estão perdidas na rede do SUS, com dificuldades para fechar seu diagnóstico ou de obter consultas com especialistas.

Para quem já tem o diagnóstico, temos outros entraves que dificultam a adesão ao tratamento. Seja porque pacientes precisam ir a mais de uma farmácia da rede pública para conseguir todos os medicamentos necessários; seja porque o uso de dispositivos inalatórios não é simples e muitos pacientes saem com dúvidas dos consultórios médicos.

Continua após a publicidade

No SUS, o tratamento é estabelecido pelo Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas de DPOC aprovado em âmbito federal em 2021.  Mas a realidade da implementação e regulamentação dessas diretrizes varia consideravelmente entre os estados, o que gera desigualdades no atendimento.

Como vimos, são muitos os desafios para cuidarmos bem de quem tem DPOC. Desde aumentar a conscientização, promover acesso a diagnóstico e permitir que os pacientes recebam tratamento adequado e multidisciplinar.

Mas, assim como são vários os obstáculos, há muita gente disposta a somar nessa caminhada. Que possamos colocar os pacientes no centro e unir esforços!

Continua após a publicidade

Flávia Lima, jornalista, pós-graduada em Saúde Coletiva e em Comunicação em Saúde pela Fiocruz Brasília. É Presidente da Associação Brasileira de Apoio à Família com Hipertensão Pulmonar e Doenças Correlatas (Abraf)

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.