Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Cuidador de idosos, a profissão que mais cresce no Brasil

Especialista examina o papel que essa ocupação vem ganhando com o envelhecimento da população

Por Marcia Chorro dos Santos, psicóloga*
Atualizado em 25 abr 2019, 16h09 - Publicado em 20 mar 2019, 08h34

Segundo dados do Ministério do Trabalho divulgados no final de 2018, houve um aumento de 547% no número de cuidadores de idosos no país. Trata-se da profissão que mais cresce por aqui, situação oportuna para refletirmos sobre o papel e a valorização desse profissional.

Tal crescimento é decorrente da modificação demográfica no Brasil. Os brasileiros estão envelhecendo cada vez mais e precisam de apoio no que se convencionou chamar de terceira idade. A expectativa do IBGE é que a população idosa mais do que dobre até 2050, saltando de 9,5% para 21,8% da nossa sociedade.

O envelhecimento costuma trazer consigo diversos impactos à saúde. Falamos de redução de mobilidade, maior risco de doenças crônicas, maior propensão a demências, perda de visão, necessidade de ficar acamado… Essa realidade é um desafio constante para o cuidador. Exige preparo, condições psicológicas e recursos materiais para realizar um trabalho adequado no dia a dia. Isso irá se refletir no bom tratamento e amparo dos pacientes, e no bem-estar deles de modo geral.

Até há pouco tempo, o perfil do cuidador era basicamente de pessoas próximas ao idoso, como um parente sem prática ou conhecimento básico sobre saúde. Diante das mudanças populacionais e na própria constituição familiar, o cuidador profissional vem ganhando terreno e força nos lares, sobretudo por terem respaldo técnico e saberem atender, com responsabilidade, as demandas da pessoa idosa. Hoje inclusive existem entes da família se qualificando para se tornarem cuidadores.

Continua após a publicidade

Em termos de qualificação, o profissional precisa buscar capacitação para identificar os principais sinais das doenças mais comuns entre os idosos. Assim, poderá se antecipar a ocorrências indesejadas, que podem ser evitadas.

Além disso, deve ter aptidão para realizar uma avaliação do ambiente familiar a fim de eliminar possíveis riscos à segurança do idoso, bem como saber como agir caso seja preciso recorrer a primeiros socorros.

Continua após a publicidade

A qualificação técnica do profissional se torna cada vez mais relevante, pois hoje os próprios idosos e familiares têm acesso a um nível crescente de informações sobre saúde e pesquisam sobre a excelência dos serviços prestados. Além disso, conhecer a história da pessoa cuidada, ter empatia e estabelecer um bom relacionamento dentro do ambiente familiar são fundamentais para o êxito do vínculo.

O cuidador de idosos deve não só ter ou buscar a formação em faculdades e cursos técnicos mas também procurar se atualizar de forma permanente, de modo a estar sempre sintonizado às necessidades do idoso e da família. Do outro lado, os familiares devem estabelecer um diálogo constante com o cuidador, ouvindo-o antes de tomar decisões e compartilhando prioridades e responsabilidades. Tudo para que tenhamos um atendimento efetivo e humanizado.

Fora dos lares, precisamos de políticas públicas concretas para acelerar e ampliar programas e iniciativas de atendimento a idosos, principalmente nas áreas mais carentes do país. Valorizar o cuidador e buscar soluções conjuntas para um envelhecimento saudável são passos importantes para que as pessoas possam viver mais e melhor.

Continua após a publicidade

* Marcia Chorro dos Santos é psicóloga e sócia da Apoio, organização que oferece capacitação gratuita a cuidadores na Câmara Municipal de São Paulo

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.