Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Congelamento de óvulos: tudo que você precisa saber sobre o assunto

Procedimento tem sido bastante procurado. Ginecologistas dão detalhes sobre como ele é feito

Por Amanda Volpato e Melissa Cavagnoli, ginecologistas*
8 jan 2022, 12h34

O sonho da maternidade é um desejo comum entre muitas mulheres. Atualmente, uma boa parcela delas deixa para concretizá-lo cada vez mais tarde – seja por questões profissionais, financeiras, emocionais e até mesmo para esperar pelo parceiro ideal. Nesse contexto, o congelamento de óvulos surge como um aliado.

Afinal, a fertilidade da mulher é finita. Para começar, nascemos com um número de óvulos definido para toda a sua vida fértil. E quando chegamos lá pelos 35 anos, ocorre uma perda em termos de quantidade e qualidade, o que dificulta a gestação.

+ LEIA TAMBÉM: Qual é o melhor momento para congelar óvulos e postergar a gravidez?

Por isso, costumamos dizer que o processo do congelamento de óvulos é uma nova revolução feminista. E ela se inicia quando a mulher decide o momento de ser mãe sem ser refém da idade biológica e sem se importar com julgamentos.

Continua após a publicidade

Apesar disso, ainda há muitas dúvidas sobre como é o procedimento.

Os primeiros passos

O tratamento começa com a avaliação das condições da paciente em todos os aspectos, tanto físicos como emocionais.

Com os exames e o diagnóstico em mãos, iniciamos a preparação com as injeções de hormônios fisiológicos, que dura, em média, 10 dias – fase que chamamos de estimulação ovariana.

Continua após a publicidade

Vale lembrar que o ovário disponibiliza uma quantidade mensal de óvulos para serem usados. Porém, ele só consegue amadurecer um por mês. Portanto, na fase da estimulação é essencial incentivar o crescimento de todos os que estão disponíveis para que possam ser guardados.

A etapa seguinte é da coleta e do congelamento dos óvulos, que ocorrem no mesmo dia.

Compartilhe essa matéria via:

É importante ressaltar que o procedimento de congelamento não afeta a reserva ovariana: apenas aproveitamos esses óvulos disponíveis e que seriam descartados pelo organismo.

Como especialistas em fertilidade e reprodução humana e assistida, recomendamos que todo esse processo seja feito até os 35 anos de idade. Assim que colhidos, os óvulos devem ser congelados imediatamente para que tenham sua integridade preservada.

Tem prazo para usar?

Não. Via de regra, o útero envelhece de uma maneira muito mais lenta e, por esse motivo, os óvulos ainda podem ser utilizados cerca de 10 a 15 anos depois de serem congelados.

Continua após a publicidade

Além disso, graças aos avanços tecnológicos na medicina, a etapa de fertilização é diferente de tempos atrás.

Antes, era normal tentar implantar mais embriões dentro do útero, já que os meios de cultura onde os colocávamos não eram tão modernos. Dessa forma, seria possível aumentar as chances de gravidez.

Agora, é recomendado que se coloque um por vez, para que se tenha uma gestação única, evitando complicações de saúde para as mães e os futuros bebês.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: O Brasil precisa de uma lei regulamentando a reprodução assistida?

Para aquelas que desejam realizar o congelamento de óvulos, indicamos buscar por uma equipe multidisciplinar de médicos especialistas na área, garantindo, assim, que o procedimento seja feito segundo regulamentação do Conselho Federal de Medicina.

Além disso, em alguns casos, sugerimos também um acompanhamento com um psicólogo para assegurar o bem-estar integral físico e mental durante o processo.

Continua após a publicidade

*Amanda Volpato e Melissa Cavagnoli são médicas ginecologistas, especialistas em fertilidade e reprodução humana e assistida e sócias da clínica Hope – Reprodução Humana

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.