Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Como identificar corretamente o trabalho de parto efetivo

Fazer esse diagnóstico é fundamental para internar a gestante na hora exata. Tema foi discutido no Congresso Mundial de Medicina Obstétrica, na Itália

Por Eduardo Cordioli, obstetra*
20 dez 2022, 09h42

Na última semana, de 7 a 10 de dezembro de 2022, participei da 7ª Edição do Birth – Congresso Mundial de Medicina Obstétrica, em Milão, na Itália. Esse evento reúne os maiores especialistas em obstetrícia focada em assistência ao parto.

Um dos temas centrais discutido no evento foi o diagnóstico correto de quando a paciente está em trabalho de parto efetivo – ou seja, significa que o bebê vai nascer nas próximas horas.

O assunto é de extrema relevância porque a internação de pacientes fora do trabalho de parto aumentou (e muito!). A hospitalização está acontecendo ainda em uma fase inicial – isso em todos os lugares do mundo, incluindo o Brasil.

O problema é que se a gestante é internada distante do período ideal, sobem as taxas de intervenções desnecessárias, como a indução do parto e até uma cesariana.

Compartilhe essa matéria via:

Isso acontece não apenas entre as pacientes que estão com 37 a 41 semanas de gestação, mas também entre aquelas com suspeita de trabalho de parto prematuro. Ao internar essas pacientes sem confirmação, também há uso de medicações que inibem contrações, e que podem ter efeitos colaterais. Sem falar no aumento de gastos desnecessários.

Continua após a publicidade

E o contrário também pode acontecer. Ou seja: achar que o trabalho de parto está em fase inicial e mandar para casa pacientes que poderiam ser internadas. Isso pode gerar muito desconforto para a mulher, que acaba se deslocando repetidas vezes até o local onde dará à luz. Em alguns casos, há o risco de o bebê nascer fora do hospital.

É importante, portanto, ter ferramentas para apoiar o corpo assistencial das maternidades para que seja feito o correto diagnóstico da fase ativa versus latente do trabalho de parto. Assim, a paciente pode ser internada na hora exata.

Entre as ferramentas discutidas no Congresso estão: o ultrassom de colo do útero, sendo que uma medida menor que 1 centímetro seria indicativo para a internação das pacientes; o uso de biomarcadores que podem ser detectados na secreção vaginal; e, mais atualmente, as técnicas de medicina biomolecular, que usam uma amostra de sangue materno.

+ Leia também: OMS recomenda método canguru para prematuros em boas condições de saúde

Outro tema importante abordado foi o uso de ferramentas para empoderar ainda mais o obstetra para que consiga ter mais informações durante o trabalho de parto e, assim, possibilite uma conduta mais assertiva e preditiva. Em resumo, a ideia é que ele atue antes de um problema acontecer.

Continua após a publicidade

Nesse âmbito, o evento discutiu a sistematização do uso da ultrassonografia durante o trabalho de parto para, assim, diminuir o desconforto do exame físico na assistência ao parto e também deixar a avaliação da descida, da posição do bebê e até a predição de nascimento fácil ou difícil mais acurada.

Nesse sentido, a medição do ácido lático no líquido amniótico durante o trabalho de parto foi demonstrada como sendo uma ferramenta interessante para predizer, por exemplo, um parto que terá distocia – isto é, dificuldade.

Já na assistência ao momento do nascimento em si, nos casos em que há dificuldade para acontecer a expulsão final do feto, o destaque vai para o instrumento Odon. Trata-se de uma nova tecnologia que funciona como um fórceps, mas mais moderno e menos traumático para a mãe e o bebê.

*Eduardo Cordioli é obstetra e diretor técnico de Obstetrícia do Grupo Santa Joana

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.