Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Câncer: políticas públicas devem garantir acesso igualitário a tratamentos

Nem todas as pessoas diagnosticadas com a doença recebem os melhores cuidados – e de forma rápida. Médica aponta como mudar esse cenário

Por Maira Caleffi, mastologista*
Atualizado em 7 fev 2023, 16h00 - Publicado em 7 fev 2023, 15h56

Somente em 2022, o câncer afetou 437 883 brasileiros, considerando todas as variações de tumores diagnosticados na rede pública. Dados assim chamam a atenção das autoridades sobre a necessidade de melhorar políticas públicas já aprovadas que permitam o acesso dos pacientes aos melhores cuidados – e rapidamente.

Os números justificam essa urgência: o Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que, até 2025, teremos, anualmente, 704 mil pessoas acometidas pela doença – isso apenas no Brasil. No âmbito global, o retrospecto recente mostra que tumores malignos como os de traqueia, brônquios e pulmões estiveram entre as seis maiores causas de mortalidade no mundo entre os anos de 2000 e 2019, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O câncer afeta a todos. Mesmo quem não tem a doença, certamente conhece ou tem na família alguém que foi acometido por ela.

Os dados do Inca trazem uma questão importante: as desigualdades sociais e demográficas relacionadas à qualidade de vida e o acesso à saúde nas regiões brasileiras.

Compartilhe essa matéria via:

O câncer de colo do útero ilustra bem esse contexto: na região Sudeste, ele aparece em quinto na lista dos mais comuns, enquanto nas regiões Norte e Nordeste, surge em segundo lugar. Essa variação pode ser evitada, principalmente, com a vacina contra o HPV, que faz parte do Programa Nacional de Imunizações desde 2014.

Continua após a publicidade

Isso não significa, no entanto, que a aplicação da vacina seja algo simples em todas as regiões do país, especialmente as que carecem de logística mais complexa. Também não há plena compreensão do tema por pessoas de baixa escolaridade ou pouca instrução.

O cenário pode ser melhor compreendido ao lembrarmos que os 130 municípios com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil são justamente das regiões Norte e Nordeste.

Portanto, quando falamos de cuidados mais justos, não significa simplesmente fornecer recursos iguais a todos. Os tratamentos oncológicos, atualmente, são altamente individualizados, e cada desafio exige uma solução diferente.

+ Leia também: A promessa de uma nova vacina para combater o câncer

Nesse sentido, igualdade é dar o necessário para que todos fiquem no mesmo patamar, tornando realidade o direito de um tratamento de câncer adequado, onde todos tenham a mesma oportunidade de desfrutar da vida mais saudável possível.

Continua após a publicidade

É preciso que haja mobilização de esforços que contribuam para o combate e a prevenção do câncer no Brasil, tarefa que envolve atuações coletivas e individuais.

No âmbito coletivo, é necessário que governos de todas as esferas se dediquem à conscientização da população (especialmente àquelas das regiões mais carentes) sobre os fatores e comportamentos que acentuam o risco de desenvolvimento de tumores malignos.

Além disso, também é papel do poder público direcionar investimentos à área de saúde que fortaleça tanto a rede de centros de diagnóstico e tratamento da doença em si, quanto a infraestrutura de outros serviços públicos que facilitam o acesso da população à saúde, como o transporte.

No plano individual, cabe a cada pessoa instruída sobre o tema a adoção de condutas preventivas – alguns cânceres, como o de pele não melanoma, que encabeça o ranking dos cânceres mais prevalentes no Brasil, pode ser evitado com uso de protetor solar, por exemplo, e a identificação precoce da doença pressupõe altas chances de cura.

Como cuidados principais contra a doença, podemos destacar a manutenção de uma alimentação saudável, a prática contínua de atividade física, a rejeição ao fumo e às bebidas alcoólicas, a proteção da pele contra a exposição aos raios solares e, claro, consultas regulares com profissionais da saúde.

Continua após a publicidade

*Maira Caleffi é mastologista, fundadora e presidente voluntária da FEMAMA e chefe do Serviço de Mastologia do Hospital Moinhos de Vento (RS)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.