Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Câncer de pulmão segue liderando estatísticas, apesar de novos recursos

Exames sofisticados, medicina de precisão... Os avanços contra essa doença são inegáveis, mas esbarram no diagnóstico tardio e na falta de acesso

Por William William, oncologista*
4 ago 2022, 12h00

O mundo registra boas notícias quando falamos em novas soluções para câncer de pulmão, como a imunoterapia e a terapia-alvo. No entanto, há 37 anos esse é o câncer que mais mata no mundo. Além disso, cerca de 13% de todos os casos novos são dele.

No Brasil, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer, é o segundo mais comum em homens e mulheres – sem contar o câncer de pele não melanoma. Em 2020, foram 28 620 mortes, com uma taxa de sobrevida relativa em cinco anos de apenas 18%. Mas por que um cenário terapêutico tão promissor parece não repercutir nesses números desalentadores?  

Vou abordar essa pergunta trazendo mais boas notícias: em parte, vimos grandes avanços nos exames diagnósticos. Um deles é a análise molecular por  sequenciamento genético. Hoje já sabemos que o câncer de pulmão não é uma doença única, mas, sim, vários tipos de tumores diferentes definidos por alterações genéticas específicas, que influenciam o prognóstico e a resposta ao tratamento. 

Alguns dos exames moleculares estão amplamente disponíveis e direcionam o uso de medicamentos totalmente dirigidos ao tipo de mutação (EGFR, ALK etc.). Hoje, é possível falarmos em adequação da terapia ao paciente, e não o contrário. Essas estratégias de tratamento foram inicialmente  desenvolvidas para pacientes com tumores avançados e incuráveis, e mais recentemente vêm sendo utilizadas em estágios iniciais da doença, aumentando as chances de cura. 

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Porém, a detecção do câncer de pulmão ainda ocorre tardiamente: apenas 16% são diagnosticados em estágio inicial (câncer localizado), quando a possibilidade de sobrevida em cinco anos passa para  56%. Vale destacar que o câncer de pulmão pode ser silencioso – tanto fumantes quanto não fumantes costumam apresentar sintomas somente quando ele já está avançado.  

Campanhas de conscientização são fundamentais para educar a população sobre a importância do reconhecimento dos sintomas. Mais importante, no entanto, são as abordagens de prevenção do câncer de pulmão por meio da eliminação do tabagismo e das estratégias de diagnóstico precoce a partir do rastreamento com tomografia computadorizada de tórax de baixa dose (TCBD) em pacientes de maior risco: fumantes e ex-fumantes, principalmente.  

Continua após a publicidade

+Leia também: As novas recomendações americanas para rastrear o câncer de pulmão

Também é preciso discutir como tornar as inovações diagnósticas e terapêuticas acessíveis. Os benefícios relacionados à atuação das novas classes de medicamento são indiscutíveis. Esses tratamentos permitem não só ampliar o tempo de vida dos pacientes, mas proporcionar isso com qualidade, seja por meio de um comprimido oral em casa ou com terapias que impactem menos o bem-estar geral. Embora tenhamos de reconhecer que os sistemas de saúde privado e público estejam evoluindo na oferta dessas medicações, garantir o tratamento mais adequado para cada paciente deve ser uma preocupação constante para proporcionar o melhor cuidado possível.  

*William William é diretor de Oncologia e Hematologia do Hospital BP, a Beneficência  Portuguesa de São Paulo, e professor associado adjunto do MD Anderson Cancer Center

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.