Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Acesso à saúde para pessoas transgênero: uma questão de igualdade

Principalmente o setor público precisa superar certas barreiras para cuidar adequadamente desse grupo de indivíduos

Por Stephani Caser, ginecologista*
25 mar 2024, 12h00

A luta pela igualdade de direitos e inclusão de pessoas transgênero na sociedade tem avançado em diversas frentes, mas ainda há um longo caminho a percorrer, especialmente quando se trata de saúde pública. A falta de acolhimento e acessibilidade a cuidados médicos adequados para essa população é um problema urgente que precisa ser enfrentado.

Segundo o Instituto de Pesquisa e Estatística do DF (IPE/DF), entre as pessoas trans que moram no Distrito Federal, pelo menos 73% já usaram hormônios como parte do processo de readequação corporal. No entanto, desse total, 22% recorreram ao método por conta própria, sem acompanhamento médico. 

Essa realidade é preocupante, pois o uso inadequado de hormônios pode acarretar sérios riscos à saúde.

Além disso, a falta de acesso a exames preventivos e tratamentos específicos para pessoas transgênero é uma barreira significativa para a detecção precoce de doenças e o cuidado com a saúde. Homens trans, por exemplo, precisam de cuidados ginecológicos, como o rastreamento do câncer de colo do útero. Exames para infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) também são importantes para quem tem uma vagina, independentemente da identidade de gênero.

A questão da saúde transgênero não se limita aos cuidados ginecológicos. Mulheres trans e homens trans que passaram por mastectomia, por exemplo, precisam de exames regulares para a detecção precoce de câncer de mama. Da mesma forma, mulheres trans podem necessitar de exames de próstata. 

Continua após a publicidade

No entanto, a falta de profissionais de saúde capacitados e sensíveis às necessidades de pessoas transgênero muitas vezes resulta em constrangimento e negligência.

É fundamental que o sistema de saúde pública reconheça e atenda as necessidades de saúde de todas as pessoas, independentemente de sua identidade de gênero. Isso inclui, por exemplo, a disponibilização de serviços de teleatendimento médico, que ajudam a reduzir as barreiras de acesso para pessoas trans que enfrentam discriminação ou desconforto em ambientes de saúde física. 

Além disso, é necessário que haja médicos especializados em saúde transgênero disponíveis em todas as redes de saúde, inclusive na pública, para garantir um atendimento livre de preconceitos.

A tecnologia pode desempenhar um papel crucial na promoção da acessibilidade à saúde para pessoas transgênero, especialmente considerando os desafios únicos que essa comunidade enfrenta. 

Continua após a publicidade

Um dos avanços mais significativos é a possibilidade de realizar exames em casa, uma opção valiosa para aqueles que enfrentam barreiras no acesso à saúde. Alternativas como o rastreamento do câncer de colo do útero através do autoexame de DNA-HPV, substituindo o Papanicolau é exemplo do uso de inovação a favor da inclusão.

A falta de acesso a cuidados médicos adequados para pessoas transgênero é uma violação dos direitos humanos e uma forma de discriminação. É essencial que os governos, os profissionais de saúde e a sociedade como um todo se unam para garantir que todas as pessoas tenham acesso a serviços de saúde de qualidade, respeitando seu gênero e suas necessidades específicas. 

Somente assim poderemos construir uma sociedade verdadeiramente inclusiva e justa.

*Stephani Caser é ginecologista e CEO da See Me

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.