Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

A relação entre amamentação e saúde mental

A associação entre as emoções e a amamentação é bidirecional – se uma não vai bem, a outra acaba sofrendo junto

Por Cinthia Calsinski, enfermeira obstetra*
13 Maio 2024, 17h10

Não é novidade que a amamentação traz efeitos positivos para quem amamenta e para quem mama. Nos últimos tempos, temos olhado cada vez mais para as mulheres que atravessam o puerpério – afinal, é o período de maior vulnerabilidade na vida de uma mulher.

A maternidade é um momento disruptivo, e a transição da vida sem filhos para a com filhos também envolve um processo, que alguns estudiosos têm chamado de mastrescência. Quem é mãe sabe que essa transformação não acontece de um dia para outro. É preciso tempo para se entender, construir a identidade de mãe e reconstruir a de mulher.

Pois é neste tempo em que a mulher está buscando se acertar na nova dinâmica que a amamentação acontece. Ela não chega devagar: são, em média, de 8 a 12 vezes ao dia, o que pode trazer desconfortos, dores, dúvidas e angústias. 

A amamentação eficaz é associada a menos sintomas de depressão e ansiedade no pós-parto, uma sensação de autoeficácia e bem-estar. Por outro lado, os sintomas de ansiedade e depressão prejudicam a intenção e a motivação para aleitamento, e diminuem a resiliência necessária para superar desafios comuns do processo.

+Leia também: Como preparar os seios para a amamentação

A amamentação pode ser exaustiva, e é importante falarmos disso sem tabu, direto da nossa humanidade que se cansa, se frustra, tem suas próprias necessidades e está vivendo um momento de doação tão grande que, ao reconhecer essas emoções e necessidades, algumas vezes  ainda é capaz de se sentir egoísta e imatura.

Para a amamentação fluir, acontece uma grande dança hormonal. A ocitocina é responsável pela ejeção de leite, e a prolactina, pela sua produção. Quando sentimos dor, cansaço extremo, tristeza e sentimentos ruins em geral, pode haver inibição da ocitocina e consequentemente prejudicar a ejeção de leite. 

São dois os principais motivos para o desmame precoce:  dor e percepção de baixa produção. Dessa forma, resiliência e equilíbrio emocional são os pilares para atravessar esse período inicial e desafiador.

A rede de apoio no pós-parto é fundamental para tornar a transição para a maternidade mais leve, assim como dar suporte físico e emocional. Por isso, se conhece alguém se preparando ou atravessando esse momento, esteja por perto e disponível para ser o apoio que esta pessoa precisa – não o que você acha que ela precisa. Isso, sim, é empatia.

Continua após a publicidade

*Cinthia Calsinski é enfermeira obstetra pela Unifeso e consultora internacional de lactação – IBCLC

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.