Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

A jornada de quem tem leucemia e os novos tratamentos que favorecem a cura

No Fevereiro Laranja, médico destaca as terapias-alvo, que beneficiam pacientes que antes não conseguiam chegar ao transplante de medula óssea

Por Eduardo Rego, hematologista* 24 fev 2022, 10h44

Atualmente, mais da metade dos cânceres têm chance de cura desde que diagnosticados precocemente. Essa é uma ótima notícia, pois a medicina tem avançado bastante na área da oncologia.

O problema é que o diagnóstico precoce ainda é um grande desafio – falta de informações, dificuldades de acesso aos exames de rastreamento e até o fato de muitos cânceres terem evolução assintomática ou apresentarem sintomas inespecíficos podem dificultar a descoberta da doença em seu início.

Neste mês, a campanha Fevereiro Laranja alerta especificamente para leucemias e a importância da doação de medula óssea.

+ LEIA TAMBÉM: Doação de medula óssea: os bancos precisam de jovens adultos

O que é a leucemia

De origem desconhecida, trata-se de uma doença maligna dos glóbulos brancos – as células de defesa do nosso organismo – e que tem como principal característica um crescimento desordenado de células doentes, que substituem as células sanguíneas normais.

Existem mais de doze versões de leucemia, que se diferenciam de acordo com a velocidade de progressão do quadro ou do tipo de célula comprometida.

Dentre elas, a mais grave e de rápida progressão é a leucemia mieloide aguda (LMA), que acomete principalmente idosos – um perfil de paciente que, muitas vezes, apresenta mais doenças associadas.

Como acontece com toda doença, o diagnóstico precoce da LMA pode fazer grande diferença na jornada do paciente. Sendo assim, é importante estar atento a sinais e sintomas como anemia, cansaço, palidez e fadiga, queda de imunidade, infecções persistentes, febre, hematomas, sangramentos espontâneos ou manchas vermelhas na pele.

Compartilhe essa matéria via:

O tratamento

Cerca de 50% dos pacientes de LMA acima dos 60 anos são resistentes à quimioterapia inicial. Além disso, entre 50% e 70% dos indivíduos com a doença sofrem com o reaparecimento de células doentes, processo chamado de ‘recidiva’.

Continua após a publicidade

Isso afeta significativamente as escolhas terapêuticas e até mesmo a realização do transplante de medula óssea, que é a melhor chance de cura do paciente.

Por isso, quanto mais soubermos sobre a pessoa e o tipo da sua doença, melhor a avaliação de risco de acordo com a sua realidade.

O diagnóstico correto pode ser feito inicialmente por meio de um exame simples de sangue – hemograma – e seguido pela realização de testes moleculares e genéticos.

Esses testes são capazes de identificar o subtipo da doença e definir um tratamento personalizado, visando levar o paciente ao transplante de medula óssea de modo mais seguro e, eventualmente, à cura da doença.

+ Vídeo: Entendendo os transplantes de medula óssea

Alguns subtipos desse câncer podem afetar o prognóstico do paciente, porque infelizmente são caracterizados por uma evolução mais severa. É o caso daquele com mutação no gene FLT3. A boa notícia é que, nos últimos quatro anos, opções de tratamento revolucionaram o tratamento dos pacientes.

Hoje, eles podem contar com quimioterapia, terapia biológica e terapia-alvo – medicamentos que atacam especificamente as células cancerígenas, provocando pouco danos às células normais, menos efeitos colaterais e aumento de sobrevida e qualidade de vida – para que, finalmente, seja realizado o transplante de medula óssea (TMO).

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), para cada ano do triênio 2020/2022, serão diagnosticados mais de 10 mil novos casos de leucemia.

Mas, atualmente, felizmente temos novas tecnologias para combater essa doença de tratamento complexo. Estar atento aos sinais da doença e buscar ajuda ao desconfiar de que há algo errado são, sem dúvida, os passos mais importantes no caminho contra esse câncer.

*Eduardo Rego é hematologista, professor titular da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e vice-presidente do Comitê de Membros Internacionais da American Society of Hematology – ASH

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)