Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

A arte como instrumento na prevenção do abuso sexual infantil

A cada hora, cinco crianças e adolescentes são vítimas desse crime no Brasil. É urgente tirar esse assunto das sombras

Por Laís Peretto, diretora-executiva da Childhood Brasil*
29 Maio 2023, 08h57

O abuso sexual de crianças e adolescentes ainda é um tabu e um crime silencioso. Há registros de que a cada hora, cinco crianças e adolescentes são vítimas de violência sexual no Brasil.

E isso é somente a ponta do iceberg, afinal, trata-se de um crime altamente subnotificado.

Diferentemente da percepção popular, as estatísticas revelam que o abusador é uma pessoa comum e próxima: pai, padrasto, avô, tio ou outro parente. Enfim, alguém de confiança do círculo familiar.

Jogar luz sobre tal tema é fundamental para que a sociedade reflita sobre como enfrentar essa questão tão urgente.

Continua após a publicidade

O papel da arte

Nesse sentido, a arte é uma ferramenta na contribuição para a transformação social.

O curta-metragem “Eu tenho uma voz”, lançado recentemente, na última Semana Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual, visa ampliar a discussão sobre o tema e dar voz às vítimas.

+ LEIA TAMBÉM: Como proteger seu filho de abuso sexual

O filme nos convida a refletir sobre como estamos olhando para as nossas crianças.

Precisamos ficar atentos a expressões que vão além da voz – falo de gestos, desenhos, comportamentos e até mesmo o silêncio.

Baseado numa canção original de Clara Verdier e Bibi Cavalcante, a letra é quase um manifesto.

Continua após a publicidade

Gabi é a personagem principal e sua história é apresentada em três idades diferentes: 8, 13 e 32 anos, para que o público entenda como a violência marcou a sua vida.

O acolhimento também é um importante fio condutor da obra.

abuso-sexual-infantil
Cena do filme “Eu tenho uma voz”. (Foto: Divulgação/Divulgação)

Quanto menos falamos sobre esse assunto, maior é o silêncio em volta dos casos. E quanto maior o silêncio, maior é o sofrimento e o impacto da violência nas vítimas – e mais difícil se torna enfrentarmos o problema adequadamente.

Nos últimos anos, a Childhood Brasil tem trabalhado ativamente para dar mais segurança às vítimas e ampliar as estatísticas de responsabilização dos agressores.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Um exemplo é a criação e implantação da Lei 13.431/2017, mais conhecida como Lei da Escuta Protegida.

Esse procedimento visa garantir maior proteção para crianças e adolescentes ao relatar o caso em um ambiente acolhedor e com o depoimento gravado uma única vez ao longo da investigação, evitando o processo de revitimização.

A lei inova ainda por estabelecer mecanismos e princípios de integração das políticas de atendimento.

Continua após a publicidade

O primeiro passo para proteger crianças e adolescentes do abuso sexual é a informação.

Se quiser saber mais sobre o assunto, clique aqui.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.