Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

A adesão ao tratamento do diabetes: questão de política pública

Campanha reforça importância de se engajar no plano terapêutico para controlar a doença e cobra políticas públicas mais assertivas nesse sentido

Por Vanessa Pirolo, coordenadora da Coalizão Vozes do Advocacy em Diabetes e Obesidade*
10 nov 2023, 18h00

Chegamos a mais um mês do diabetes! Todas as organizações se preparam para realizar as atividades, que incluem campanhas de detecção de glicemia em diversos lugares do Brasil para rastrear pessoas que tenham a condição ou alto risco de desenvolvê-la. Também protagonizam ações de conscientização por meio de iluminação de prédios públicos e pontos turísticos para chamar atenção à causa, além das palestras educativas.

As 24 organizações de diabetes ligadas à Coalizão Vozes do Advocacy estão se desdobrando para realizar uma tarefa que deveria ser do governo, ou seja, melhorar o acesso da população aos insumos e medicamentos, assim como oferecer tratamento adequado e integral à população. No final das contas, porém, o Estado não está conseguindo cumprir essa função e o resultado é catastrófico por várias razões.

Segundo o último Censo Médico da USP, há somente 5 888 endocrinologistas no país para poder assistir mais de 16 milhões de brasileiros com diabetes, ou seja, estes profissionais não atendem a demanda, que é muito alta. Como reflexo a população não tem informações adequadas sobre a condição e a adesão ao tratamento é muito baixa, segundo o estudo “Prevalência e Correlações do Controle Glicêmico Inadequado”.

Para melhorar o engajamento terapêutico, muitas iniciativas estão sendo tomadas pelo país por organizações da sociedade civil, entre elas a capacitação de profissionais de saúde em diabetes de Departamentos Regionais de Saúde de São Paulo.

Outra é a campanha O Tratamento é Essencial à Vida. Abrace o Seu! O intuito é estimular os brasileiros com a condição a realizarem o tratamento para prevenir as complicações e, ao mesmo tempo, sensibilizar o governo sobre as barreiras de acesso ao tratamento e discutir soluções que possam melhorar o diagnóstico precoce da condição, diminuir a incidência das sequelas do diabetes e os gastos, que superam 43 bilhões de dólares ao ano, segundo dados do próprio Ministério da Saúde.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Novo remédio aprovado para controlar a glicemia e o peso

Por isso, precisamos que o governo olhe as necessidades das pessoas com diabetes como prioridade, atenda aos chamados das reuniões, discuta estratégias para melhorar o acesso ao tratamento adequado e assim reverta dados como os que foram pulicados recentemente pela Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV). O relatório mostrou que mais de 282 mil cirurgias de amputação de membros inferiores (pernas ou pés) foram realizadas no Sistema Único de Saúde (SUS) entre janeiro de 2012 e maio de 2023.

Só em 2022, no país, os registros alcançaram a marca de 31 190 procedimentos realizados, o que significa que – a cada dia – pelo menos 85 brasileiros tiveram seus pés ou pernas amputadas na rede pública de saúde e mais da metade dos casos de amputações envolvem pessoas com diabetes.

Muitas outras complicações são resultado do mau controle do diabetes. De acordo com o estudo intitulado, “As Condições de Saúde Ocular no Brasil”, publicado em 2019 pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia, a retinopatia diabética é responsável por 4,8% dos 37 milhões de casos de cegueira devido a doenças oculares, o que equivale a um impacto potencial em 1,8 milhão de pessoas.

Continua após a publicidade

Outro dado importante, reportado em um artigo médico, é que a nefropatia diabética está presente em, aproximadamente, 30 a 40% dos casos de diabetes tipo 1 e em 20% dos casos de diabetes tipo 2, sendo a doença renal a principal causa de mortalidade nos pacientes com o tipo 1.

Baseado nestes números tão alarmantes, as associações de diabetes trabalham arduamente para alertar sobre os riscos da condição e da falta de tratamento adequado. Por isso, fazemos um apelo para que a população realize os exames de sangue a fim de saber se possui alteração na glicemia, o que indica a presença da doença, e nos apoie nessa demanda prioritária junto ao Ministério da Saúde. Só assim conseguiremos mudar um panorama que, a cada ano, se torna mais desafiador para o Brasil.

Compartilhe essa matéria via:

* Vanessa Pirolo é coordenador de diabetes e obesidade da Coalizão Vozes do Advocacy

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.