Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Cientistas Explicam Por Blog Erguendo a bandeira da divulgação científica, um seleto grupo de pesquisadores se une para esclarecer, debater (e se divertir com) os temas mais complexos e polêmicos da biologia e da medicina

Pesquisadores rumo à extinção

Colunista critica possível decisão do governo de cortar bolsas de estudo para alunos brasileiros e discute seu impacto na pesquisa nacional

Por Luiz Gustavo de Almeida, biólogo* 3 ago 2018, 14h40

Em uma reunião de recepção dos novos alunos de pós-graduação, os professores mostraram a estrutura do instituto, os equipamentos de uso comum, as regras e as métricas para os estudos e publicações de cada departamento. Ao fim da apresentação, os docentes se retiraram da sala e quem tomou a palavra foram os representantes da Associação de Alunos da Pós-Graduação.

A primeira pergunta que um dos membros da associação fez depois de se apresentar foi a seguinte:

“Quem aqui acha que pós-graduação é emprego?”

Alunos que estavam quase dormindo com a palestra anterior despertaram e se ajeitaram na cadeira. Provavelmente, muitos se questionaram: “Por que é que ele perguntou isso?”.

Diante da indagação provocativa, 90% dos presentes na sala levantaram a mão, concordando que, sim, pós-graduação representava um emprego, pelo menos para eles. Os outros 10% estavam ainda raciocinando, formando opinião ou simplesmente acordando.

Mal sabiam o que viria com a segunda pergunta:

“Quem entrou para a pós-graduação realmente porque quer ser pesquisador?”

O silêncio foi ensurdecedor. Nenhum movimento de braços nas cadeiras.

O representante da associação se manifesta de novo:

“Quem entrou aqui porque foi o que sobrou de opção?”

Continua após a publicidade

Algumas pessoas ergueram os dois braços.

Após o representante apontar o dedo para um sujeito que ainda estava dormindo na sala sem ninguém ter percebido, começaram os relatos dos alunos, que provavelmente teriam reagido de outra maneira se ali na frente não estivesse um membro da própria “classe”.

Nessa sala, localizada em uma universidade em São Paulo, estavam presentes uns 80 estudantes. Claro que isso representa uma parte ínfima dos alunos de pós-graduação no país, mas, se ali, a maioria entrava sem muita motivação e com incertezas sobre as suas bolsas de estudo (sem reajustes desde 2013), certamente encontraríamos pessoas em situação semelhante em outros estados do Brasil.

Durante a pós, muita gente que nutria o pensamento do “pode dar certo” acaba substituindo a empolgação pelo “foi o que sobrou”. As perspectivas não mudam muito, os assuntos do corredor na universidade continuam os mesmos. O que fazer depois da pós? Para onde ir? Será que teremos reajustes? O que tem no bandejão hoje?

Até então, tínhamos a segurança de contar pelo menos com o dinheiro da bolsa durante um tempo. A bolsa tem prazo de validade, mas impulsiona os alunos, muitos dos quais trabalham mais de dez horas por dia para fazer dar certo um experimento de laboratório.

Se esse cenário já era desanimador para a pesquisa brasileira, imagine se os alunos nem cogitarem entrar para a pós-graduação porque foi o que sobrou? Se não tivermos a certeza do prazo de validade da bolsa? Se nem mais bolsas houver? Pois isso é o que acontecerá se a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) deixar de pagar as 200 mil bolsas de estudo a partir de agosto de 2019.

Não vamos ter as chamadas “fugas de cérebro” para o exterior. Não vamos ter mais cérebros que sejam atrativos para empresas e centros de excelência nacionais e internacionais.

Por fim, para colocar os últimos pregos no caixão da ciência brasileira, temos a perspectiva de contar, na eleição presidencial, com candidatos que desconhecem (ou detestam) a ciência. Um já disse que não existe pesquisa no Brasil, outro criticou a Fapesp, a agência de fomento do estado de São Paulo, de financiar pesquisa “sem utilidade prática”.

Antes o problema dos pós-graduandos fosse apenas conseguir reajustes anuais. A profissão de pesquisador, que mal existia no Brasil, agora caminha para a extinção em massa.

* Luiz Gustavo de Almeida é biólogo e pesquisador do Laboratório de Genética Bacteriana do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo, coordenador dos projetos Cientistas Explicam e Pint of Science na cidade de São Paulo, além de fundador e colaborador do blog Café na Bancada

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês