Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês
Guenta, Coração Por Blog Médicos, nutricionistas e outros profissionais da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) explicam as novas (e clássicas) medidas para resguardar o peito

O coração no centro das metas mundiais de saúde

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pede mais atenção com as doenças cardiovasculares. Nosso especialista traz o contexto desse anúncio e suas repercussões

Por Dr. José Francisco Kerr Saraiva* - 1 fev 2019, 13h00

A prevenção e redução da incidência de doenças crônicas não transmissíveis, principalmente as cardiovasculares, é uma das dez metas globais da Organização Mundial da Saúde (OMS) para 2019. O objetivo – somando todas essas enfermidades – é que haja atendimento médico-hospitalar para um bilhão a mais de pessoas este ano, em comparação com números de 2018.

As doenças crônicas não transmissíveis, como hipertensão, diabetes e câncer, são responsáveis por mais de 70% de todas as mortes no mundo. São 41 milhões de óbitos por ano, revela a OMS.

O mais grave é que essa preocupante estatística inclui 15 milhões de pessoas que falecem prematuramente, ou seja, com idade entre 30 e 69 anos. Mais de 85% desses episódios ocorrem em países de baixa e média renda. A prevenção e mitigação das principais causas reduziria de modo significativo a perda dessas vidas.

A OMS, corroborando conclusões de pesquisas inequívocas, alerta que o aumento dessas doenças tem sido impulsionado por cinco fatores de risco: tabagismo, sedentarismo, uso nocivo do álcool, dietas pouco saudáveis e a poluição do ar.

Continua após a publicidade

Tais causas também agravam a saúde mental. Metade de todos os transtornos psicológicos começa aos 14 anos, mas a maioria não é detectada e tratada de maneira oportuna. Tais problemas, em muitos casos, levam as pessoas a se descuidarem da saúde como um todo, inclusive com o coração.

Um dos aspectos mais importantes das ações previstas pela OMS para reduzir a incidência das doenças cardiovasculares em 2019 é trabalhar com os governos para atingir a meta global de redução em 15% da inatividade física até 2030. Isso será feito por meio da implementação de uma série de políticas que incentivem as pessoas a se mexerem mais todos os dias.

É muito importante que todos, independentemente de campanhas e iniciativas nacionais e internacionais dos governos e organismos multilaterais, equilibrem seus hábitos rotineiros, adotando práticas mais saudáveis.

Com uma postura responsável com seu próprio corpo, as pessoas melhoram seu bem-estar (e o de suas famílias!), e contribuem para que as estatísticas relativas às mortes por doenças não transmissíveis sejam menos traumáticas a cada ano. Vamos todos, incluindo médicos e profissionais das distintas áreas da saúde, nos engajar com determinação nessa causa em favor da vida!

Continua após a publicidade

Dr. José Francisco Kerr Saraiva, presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp).

Publicidade