Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço coordenado pelo jornalista Diogo Sponchiato, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Não devemos separar a saúde da boca da saúde do corpo

Campanha nacional visa quebrar distinção entre boca e corpo para criar um ambiente que cuide da saúde de maneira mais integral

Por Regiane Marton, cirurgiã-dentista* 16 dez 2019, 12h09

“Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença.” Esse é o conceito adotado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde 1948. Mais que uma definição, ele simboliza um compromisso, um horizonte a ser alcançado.

Saúde não é uma situação estável: uma vez obtida, precisa de ação contínua para ser mantida e depende não somente do indivíduo, mas também de um contexto externo, muitas vezes não controlável, de questões culturais e conhecimento dos limites do corpo e da mente.

Pensando nesse bem-estar, o corpo deve ser considerado como um todo, um sistema que funciona integralmente, engrenado e em harmonia interna e externa. Precisamos, portanto, pensar a saúde de forma sistêmica. E aqui chegamos ao nosso grande mote: por que tão frequentemente a saúde bucal é separada da saúde do corpo?

A saúde bucal é parte integrante e inseparável do estado geral de uma pessoa. No contexto de busca do bem-estar, existem inúmeras especialidades médicas e odontológicas que atendem a diferentes necessidades, e a procura por um profissional adequado nem sempre é fácil.

O próprio modelo de ensino pode causar incerteza e falta de conhecimento para o alcance de uma saúde plena. Odontologia e medicina são cursos ministrados de diferentes formas em diversos locais do mundo. Em alguns países, por exemplo, é o mesmo curso de graduação; em outros, são cursos completamente separados que, ainda, ocasionam disputa entre profissionais no mercado de trabalho. E essa realidade afeta o paciente.

Continua após a publicidade

Há mais de cem anos a associação entre doença bucal e doença sistêmica é debatida, sendo que muitos estudos foram realizados para comprovar essa relação. Mas, para balizar tudo isso, é preciso investir em uma formação acadêmica que faça os estudantes de odontologia e medicina focarem num olhar integral às necessidades do paciente.

  • O corpo tem algumas principais estruturas de contato com o mundo, sendo que a boca se expande para além dos sentidos. É responsável por muito mais: o primeiro choro, a amamentação, a nutrição, a respiração, a criação de vínculos, a fala e a comunicação, a socialização, o primeiro beijo, a autoestima, os sorrisos… Além disso, da boca e de suas atividades depende uma quantidade considerável de órgãos, como coração, estômago, intestino, pulmões…

    Foi esse cenário de dicotomia entre saúde bucal e saúde do corpo que inspirou a Sorrir Muda Tudo, maior campanha de valorização da odontologia já realizada no Brasil. Um projeto que visa criar o hábito de prevenção, incentivando a visita regular ao cirurgião-dentista, e abrangendo todo o ciclo de cuidados: indústria da saúde, cirurgiões-dentistas, associações e pacientes.

    Essa parceria da ABIMO (Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios) com entidades e indústrias do setor promete atingir muitas pessoas, desdobrando-se, inclusive, em benefícios para todo o sistema de saúde brasileiro. Afinal, um sorriso tem o poder de transformar muitas histórias.

    * Regiane Marton é cirurgiã-dentista, conselheira da ABIMO e presidente da Kulzer Brasil

    Continua após a publicidade
    Publicidade