Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço coordenado pelo jornalista Diogo Sponchiato, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

A grande transformação da cirurgia bariátrica

Especialista aponta os principais avanços no procedimento para perda de peso e seu reflexo na qualidade de vida dos pacientes

Por Dr. Marcos Leão Vilas Bôas, cirurgião* - 4 dez 2019, 12h29

Introduzida no Brasil nos anos 1990, a cirurgia bariátrica passou por uma autêntica revolução nas últimas duas décadas O número de procedimentos no país pulou de 34 mil para quase 70 mil em oito anos. Cirurgias cada vez menos invasivas, realizadas através de minúsculas incisões e visualizadas em monitores de altíssima resolução, grampeadores inteligentes, bisturis ultrassônicos, braços robóticos e outras tecnologias chegaram para aumentar a segurança, o conforto e a efetividade do tratamento da obesidade.

Os programas de treinamento desenvolvidos pelas sociedades médicas trouxeram aperfeiçoamento e qualificação aos profissionais de saúde, incluindo os cuidados no pré e pós-operatório, refletindo também numa melhor experiência do paciente.

A descoberta de mecanismos independentes da perda de peso para controlar, e muitas vezes até eliminar o diabetes, adicionou o conceito de cirurgia metabólica: as vantagens não se resumem, portanto, à eliminação dos quilos a mais. O procedimento dá uma vida nova a pessoas com graus menores de obesidade que antes não conseguiam controlar a glicose, a pressão e o colesterol.

Diversos estudos demonstram os benefícios da cirurgia por seu potencial de reduzir o risco de infarto e derrame. Com isso também cai pela metade os índices de mortalidade cardiovascular nessa população.

Continua após a publicidade

A restrição do estômago com uso de anéis e outros artifícios, e a exclusão de grandes porções do intestino — que causavam, em algumas pessoas, intolerância alimentar, vômitos e diarreia — foram deixados de lado. E o entendimento do papel do intestino como regulador da fome, da saciedade e do gasto de energia refletiu-se em menos efeitos colaterais e uma vida mais plena.

A experiência adquirida nesse século transformou um procedimento complexo e delicado em um ato tão, ou mais seguro, que qualquer outro realizado pelos centros cirúrgicos brasileiros. Infelizmente, todo esse avanço não é suficiente para dar conta da epidemia de obesidade no país, mas é um alento àqueles que penam com as formas mais agressivas dessa doença tão subestimada.

* Dr. Marcos Leão Vilas Bôas é presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM)

Publicidade