Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Truques para evitar que a criança chupe o dedo

O hábito de chupar o dedo, assim como o uso de chupeta e mamadeira, pode causar problemas de dicção mais tarde, na vida adulta

Por Redação M de Mulher Atualizado em 27 out 2016, 20h56 - Publicado em 22 out 2012, 22h00

Quando o bebê fica irritado, ela tende a sacar o polegar a qualquer custo
Foto: Getty Images

Levar tudo o que encontra à boca é uma maneira de o bebê desvendar o mundo a seu redor. “A via oral é a única ferramenta de que o recém-nascido dispõe para explorar o desconhecido. Isso inclui partes do corpo, como os dedos“, explica a fonoaudióloga Irene Marchesan, de São Paulo. Mas, se o hábito persistir por anos a fio, aí é problema na certa, algo também válido para o uso de chupetas e mamadeiras.

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Washington, nos Estados Unidos, mostra que tanto o dedo quanto esses utensílios alteram o desenvolvimento dos ossos do rosto infantil e atrasam a habilidade de falar. Os pesquisadores chegaram a essa conclusão depois de analisarem os dados de 128 crianças chilenas entre 3 e 5 anos de idade.

“A mamadeira favorece um tipo de cárie muito potente, que destrói os dentes. Já a chupeta e o dedo interferem no posicionamento da arcada dentária, além de deslocarem as estruturas ósseas da boca”, esclarece a cirurgiã-dentista Márcia Vasconcelos. Pior, esse cenário predispõe à respiração bucal, já que a boca se molda em função dos aparatos.

Não bastasse tudo isso, as primeiras palavras podem ser prejudicadas. “Essas alternativas de sucção impedem que o pequeno use corretamente os músculos do rosto, o que deixa a musculatura da região flácida”, alerta a psicóloga Ana Carolina Peuker. E, além de demorarem mais para soltar o verbo, garotos e garotas nessa situação passam a projetar a língua para a frente, o que compromete a pronúncia das sílabas. Felizmente, isso tudo pode ser evitado. Basta intervir desde cedo.

Mas… levante a mão o pai ou a mãe que nunca apelaram para a mamadeira ou para a chupeta quando o filho abriu o berreiro. É difícil dispensar esses apetrechos. Depois de amamentar por seis meses, a melhor opção seria passar direto para o copo – o bebê vai errar algumas vezes, mas aprende rápido – ou a colher. Mas se não tem jeito, a saída é usar chupetas e afins, mas lembre-se de abandoná-los no máximo aos 2 anos de idade. Até esse limiar, prefira oferecê-los à noite, antes de dormir. No caso da chupeta, retire-a do berço assim que o bebê adormecer. Alguns truques, como ocupar a mão da garotada com brinquedos, ajudam. E, não custa repetir, se a criança foi amamentada por no mínimo seis meses, ela terá uma necessidade fisiológica menor de sucção, seja do dedo, da chupeta, seja de qualquer outro objeto.

Ansiedade além da conta

“O bebê vem ao mundo com o reflexo de Babkin, que o faz levar a mão à boca na tentativa de se acalmar”, explica a psicóloga Ana Carolina Peuker. Por isso, em casos isolados, sugar o polegar não pode ser considerado um hábito propriamente dito. Obrigar a criança a tirar o dedo da boca de pronto faz com que a ansiedade só aumente. Quando fica irritada, ela tende a sacar o polegar a qualquer custo. Então, é preciso agir com calma e não tumultuar a vida do pequeno para evitar que chupar o dedo se torne uma rotina.

Chupeta nunca mais

Continua após a publicidade

Truques para evitar que a criança se torne refém desse e de outros apetrechos:

· Amamentar o bebê até os 6 meses de vida diminui a necessidade de sucção

· Troque a mamadeira tradicional por copos específicos

· Use a mamadeira apenas para a última refeição do dia

· Ocupe a mão dos pequenos com um brinquedo

· Retire a chupeta logo após a criança adormecer

· Não a prenda na roupa

· Tenha apenas uma em casa

Fonte: Lais Graci dos Santos Bueno, da Sociedade Brasileira de Pediatria

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês