Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Sífilis na casa dos 50

A procura por exames que detectam a doença bacteriana cresce entre os que têm 50, 60, 70...

Por Redação M de Mulher - Atualizado em 13 Mar 2018, 11h04 - Publicado em 16 Sep 2012, 22h00

Uma pesquisa realizada pelo laboratório Delboni Medicina Diagnóstica, em São Paulo, reuniu informações sobre requisições de exames dos últimos dois anos. O resultado aponta um aumento de 30% na procura por procedimentos detectores de sífilis, doença sexualmente transmissível, entre os maiores de 50 anos.

De acordo com os especialistas, a preocupação que parece se alastrar entre os mais maduros se deve ao aumento do número de divórcio nessa faixa de idade, ao uso de medicamentos para impotência e à falta de proteção durante o ato sexual.

“Em uma relação desprotegida com um parceiro infectado, há um risco de contágio de até 30%”, alerta a infectologista Maria Lavinea Figueiredo, do Delboni. A especialista ainda reforça que o uso de preservativo é a melhor medida preventiva. E também ensina que a doença tem cura. Boas doses de antibióticos joga a bactéria para escanteio.

A DST

Continua após a publicidade

Em um primeiro momento a sífilis se manifesta com úlceras não dolorosas na região genital. Em até seis semanas o machucado desaparece, dando a impressão de cura. Três meses depois outras lesões pipocam pelo corpo todo, além de febre e dores nas articulações. Em 20% dos casos os sintomas voltam a desaparecer. Mas, quando surgem de novo, fazem um estrago ainda maior, atingindo ossos, órgãos como o coração e até o sistema nervoso central.

Publicidade