Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Os riscos de uma dieta restritiva na adolescência

Práticas pouco saudáveis para o controle de peso aumentam a probabilidade de jovens desenvolverem transtornos alimentares

Por Redação M de Mulher Atualizado em 28 out 2016, 05h53 - Publicado em 14 jul 2013, 22h00

É necessário incentivar uma alimentação sem restrição desse ou daquele tipo de comida, mas que respeite quantidades adequadas”, aponta a nutricionista Greisse Viero da Silva Leal
Foto: Getty Images

Não é raro que alguns adolescentes tenham de ficar de olho no prato para evitar quilos de sobra. Acontece que muitos meninos e meninas em forma acabam tomando medidas radicais no seu dia a dia em busca de um ideal de beleza. Segundo um estudo da Faculdade de Saúde Pública da Universidadede São Paulo, 31,9% de 1 167 jovens observados adotavam métodos considerados nocivos à saúde para conquistarem uma barriga trincada e 12,2% já mostravam sinais de distúrbios graves, como compulsão, anorexia e bulimia. “É necessário incentivar uma alimentação sem restrição desse ou daquele tipo de comida, mas que respeite quantidades adequadas”, aponta a nutricionista Greisse Viero da Silva Leal, autora do trabalho. A infância e a adolescência são épocas de aprendizado e, portanto, bons momentos para se acostumar a comer direito – o que é bem diferente de comer pouco.

A situação em números

Entre os jovens que lançavam mão de alguma medida drástica para emagrecer…

…20,6% pulavam refeições

…20,4% ingeriam pouca comida

…7,4% usavam substitutos alimentares

…2,1% tomavam remédios para emagrecer desnecessariamente

…1,6% fumava cigarros para perder peso

Continua após a publicidade
Publicidade