Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Educação sexual funciona?

O acesso à informação aumentou, mas a gravidez precoce ainda é comum. Fomos investigar as razões e o que se pode fazer para que as estatísticas não aumentem

Por Redação M de Mulher Atualizado em 28 out 2016, 02h06 - Publicado em 28 nov 2013, 22h00

 

Foto: Getty Images

 

A gravidez na adolescência aumenta tanto nos países desenvolvidos quanto naqueles em desenvolvimento, afirma a ginecologista Albertina Duarte Takiuti, que coordena o Programa de Saúde do Adolescente da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo. Um filho no meio do caminho solapa os anos dourados e pode ser um trauma de difícil superação. Para evitar uma gestação precoce e até mesmo doenças sexualmente transmissíveis, é preciso uma ação conjunta de pais, médicos,professores e, claro, dos maiores interessados a moçada. Mas, segundo os especialistas, a educação sexual ainda deixa a desejar. Só no primeiro semestre de 2007, o SUS, Sistema Único de Saúde, realizou mais de 300 mil partos em brasileiras com menos de 19 anos idade que, do ponto de vista médico, seria a reta final da adolescência.

O número não inclui os nascimentos em hospitais particulares. Só que, embora não contem com o respaldo de dados oficiais, há médicos arriscando dizer que a gravidez precoce avança com maior rapidez na classe média. E, quando se mira a faixa etária, ela cresce especialmente entre as menores de 14 anos. Por razões óbvias, também não existem estatísticas precisas sobre abortos em adolescentes, mais ou menos favorecidas.

São Paulo foge um pouco à regra. É que o programa da Secretaria Estadual de Saúde, liderado por Albertina Takiuti, criou centros municipais de atendimento ao adolescente para esclarecer todas as dúvidas e abrir as portas para o diálogo. Eles ajudaram a reduzir em 32% a incidência de gravidez nessa faixa etária nos últimos dez anos. A questão é: mais informação não implica mais prevenção, resume a ginecologista. É fundamental uma mudança de atitude que leve ao que ela chama de negociação da relação sexual. O que isso significa? Os parceiros têm que decidir juntos se estão preparados para a transa. Não basta conhecer os métodos; o jovem precisa ter um auto-cuidado, responde.

A dificuldade é despertar a consciência para um corpo e uma mente mutantes, já que essa é a fase da vida dominada pelas transformações. Já atendi mais de 1 500 meninas grávidas. Nenhuma delas me disse que não sabia como se engravida, relata o ginecologista Marco Aurélio Galleta, responsável pelo setor de Gravidez na Adolescência do Hospital das Clínicas de São Paulo. A gente fala muito dos métodos contraceptivos e pouco da sexualidade, diz. A menina ainda tem a possibilidade de ser orientada pelo ginecologista, diferentemente do garoto, que nem sempre conta com ajuda especializada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)