saudeLOGO Created with Sketch.

Operação do Ministério reprova 59,7% de amostras de azeite

Foram avaliadas 107 marcas desse óleo comercializadas por 65 empresas – e a maioria não passou em testes de qualidade

Durante operação de fiscalização, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), avaliou 107 marcas de azeite de 65 empresas. E os resultados não foram animadores: 59,7% das amostras não passaram nos testes.

Não é a primeira vez que uma análise do tipo revela problemas com o produto. Em comunicado no site do Ministério, a coordenadora-geral de qualidade vegetal do Mapa, Fátima Chieppe Parizzi, afirmou que o número de fraudes ainda é expressivo. “Mas o trabalho de melhoria do produto continua”, disse.

A análise foi dividida em dois grupos: no primeiro, com 39 empresas, 108 lotes foram aprovados. No segundo, com 26 empresas, 160 lotes receberam reprovação. Ao todo, 300 mil litros de produtos irregulares saíram do mercado. O mesmo ocorreu com mais 400 mil litros de itens que eram denominados de azeite no rótulo – porém, na verdade, deviam ser classificados como temperos.

Um método simples ajudou na identificação das fraudes: os fiscais solicitavam a nota fiscal de saída do produto e a comprovação de compra da matéria-prima. Assim, ficava claro que muitas empresas não apresentavam documentação suficiente para garantir que estavam vendendo um produto de boa qualidade.

Com isso, elas são multadas no valor mínimo de 5 mil reais e ainda se considera um acréscimo de 400% sobre o valor da mercadoria fiscalizada. Por lei, a multa não pode passar de 540 mil reais.

Os problemas mais comuns

Dois problemas graves se sobressaem quando falamos de fraudes com o produto da oliveira. Um deles é a presença de azeite lampante, um tipo permitido apenas para uso industrial e que tem muitos defeitos ligados à deterioração e conservação. Para ser ofertado ao consumidor, a marca precisa, antes, corrigir essas falhas.

Isso significa que o item deve ser refinado. Depois do processo, ele pode ir para as prateleiras como “azeite de oliva”. Nada de virgem ou extravirgem – versões com mais substâncias benéficas e sabor. Outra prática comum – e que lesa o consumidor, que paga caro pelo produto – é misturar esse líquido problemático a outros óleos vegetais, como de soja, milho e girassol.

Clique aqui e confira as marcas que tiveram lotes reprovados no teste. E, aqui, você vê as que passaram pelo crivo do Ministério.

Dicas para não cair na enganação

+ Desconfie de preços baixos. Um azeite bom dificilmente custará menos de 10 reais.

+ Na lista de ingredientes, deve constar apenas “azeite de oliva extravirgem”. Afinal, o produto nada mais é do que o sumo da azeitona.

+ Ao ler “tempero português” ou “tempero espanhol”, significa que é mistura, e não azeite puro.

+ Não se deixe levar por imagens de azeitona no vidro. Leia as informações do rótulo atentamente.

Direito à resposta

Após a publicação da matéria, a empresa Natural Alimentos, detentora da marca Lisboa, pediu à SAÚDE para divulgar um comunicado sobre o assunto. Ele segue:

“Sobre a matéria, a Natural Alimentos, responsável pela marca Lisboa, esclarece que por iniciativa própria e em consonância com os órgãos reguladores retirou do mercado todos os produtos descritos na reportagem há mais de um ano e seis meses. Dessa forma, hoje não há sequer um desse item em mercados e varejistas do país.

A empresa parou de produzir e de comercializar os produtos por distorções identificadas pela própria Natural Alimentos acerca da qualidade nos produtos importados.

Além disso, o conteúdo tratado na matéria já foi amplamente divulgado pelos meios de comunicação e que retorna agora não sabemos com qual intuito. Na época, a empresa teve que demitir metade de seus colaboradores e de lá para cá, trabalha arduamente para fortalecer a marca com outros produtos. Sendo assim, qualquer divulgação negativa do nome Lisboa pode comprometer as vendas desses outros produtos que levam a mesma marca.

A Empresa cumpre a legislação brasileira em todos os aspectos em que atua. É uma empresa Brasileira de 12 anos com mais de 150 colaboradores (diretos e indiretos). Um time de profissionais, incluindo engenheiros e técnicos em alimentos, administradores, gestores em saúde alimentar, especialistas em tecnologia e produção de alimentos, que trabalha com a missão de produzir produtos de alta qualidade e para facilitar a vida do consumidor.

Atualmente são envasados pela Natural Alimentos óleos mistos e temperos a base de azeite de oliva saborizados, adequados à legislação brasileira e, portanto, com produtos de qualidade e procedência autênticas.

Administração da Natural Alimentos – Tecnologia em Alimentos”

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s