Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 5,90/mês

Modere na carne pelo bem do intestino

Substâncias liberadas no cozimento desses alimentos aumentam o risco de câncer colorretal

Por Goretti Tenorio - Atualizado em 25 set 2020, 18h05 - Publicado em 25 set 2020, 08h37

Além da quantidade, o tipo de preparo e o ponto da carne fazem crescer o perigo do câncer colorretal. Foi o que constatou uma análise de imagens de colonoscopia, exame que inspeciona o intestino, de mais de 6 300 pessoas. Conduzida na Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos, a investigação apontou um aumento de lesões precursoras de tumores naquelas que informaram maior consumo de carne vermelha (sobretudo bem passada) ao longo de um ano.

A hipótese é que os danos estejam relacionados a substâncias conhecidas como aminas heterocíclicas. “Elas surgem na carne quando ela é exposta a altas temperaturas”, explica o cirurgião oncológico Samuel Aguiar Junior, do A.C.Camargo Cancer Center, em São Paulo. “O estudo aponta o risco de formação de tumores a partir de pólipos mais raros, as lesões sésseis serrilhadas.

Até então acreditava-se que essa via tinha origem mais hereditária, mas se vê que ela também sofre influência da dieta”, revela. O recado, portanto, é maneirar na carne e optar por receitas feitas em fogo brando e com cozimento mais lento.

 

Continua após a publicidade
Publicidade