Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Comida ultraprocessada aumentaria o risco de câncer

Levantamento reforça a necessidade de evitarmos itens como salgadinhos, bolachas e refrigerantes; eles contribuiriam para o surgimento de tumores

Por Thaís Manarini Atualizado em 22 mar 2019, 18h26 - Publicado em 16 fev 2018, 12h28

Um dos mais respeitados periódicos científicos, o British Medical Journal, acaba de publicar uma pesquisa que associa o consumo de alimentos ultraprocessados a um aumento no risco de câncer. Essa categoria é composta por itens como biscoitos doces e salgados, refrigerantes, refrescos, salgadinhos, cereais matinais, embutidos, pratos congelados… Ou seja, formulações industriais prontas para consumo.

No trabalho, conduzido por cientistas da França e do Brasil (mais especificamente da Universidade de São Paulo, a USP), a dieta de nada menos do que 104 980 pessoas foi avaliada minuciosamente. Mais do que isso: os experts categorizaram os alimentos de acordo com seu grau de processamento.

Com esses dados em mãos, eles descobriram que, para cada aumento de 10% na proporção de comida ultraprocessada consumida, o risco de encarar um tumor subia 12%. A probabilidade de ter especificamente o câncer de mama ficava 11% maior. O dado assusta mais ainda se considerarmos que, em vários países, esse tipo de produto representa entre 25 e 50% do total de calorias ingeridas em um dia.

Vale lembrar que não foi encontrada uma associação relevante entre itens menos processados (como vegetais enlatados, queijos e pães de padaria) e câncer. Já a ingestão de alimentos frescos ou minimamente processados – a exemplo de frutas, verduras, legumes, arroz, macarrão, ovo, carne, peixe e leite – se mostrou inversamente ligada ao risco de tumores.

Os autores frisam, porém, que outros trabalhos são necessários para entender melhor o impacto de vários estágios de processamento da comida em nossa saúde. Até porque esse é um estudo de observação – ou seja, não é desenhado para cravar uma relação de causa e efeito. O que uma investigação dessas faz é oferecer pistas de possíveis conexões entre um fenômeno e outro.

Ainda assim, não é absurdo incentivar moderação em relação aos produtos altamente processados. Essa não é a primeira pesquisa (e certamente não será a última) a mostrar que é melhor descascar uma fruta a abrir um pacotinho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)