Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O aedes aegypti também ameaça os cachorros

Nem dengue, zika ou chikungunya. A doença que esse vetor transmite para o seu animal de estimação se chama dirofilariose e é bem grave

Por Karolina Bergamo
Atualizado em 23 abr 2018, 14h51 - Publicado em 21 ago 2016, 09h00

Sim, aquele mosquito listrado pra lá de irritante pode carregar um verme, o Dirofilaria immitis, que encontra no organismo canino um ambiente propício para se desenvolver. “O parasita causa lesões no coração e nos vasos sanguíneos, o que reduz o fluxo circulatório pulmonar e, em situações mais graves, provoca insuficiência cardíaca”, explica o veterinário Luciano Pereira, da Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo.

Depois de invadir o cachorro, o intruso se multiplica e evolui lentamente – ele chega a atingir 20 centímetros! Quando sintomas como tosse seca, dificuldade para respirar, aumento de volume abdominal, intolerância ao esforço e desmaios aparecem, a doença não raro já está em estágio avançado.

E o problema é que o tratamento costuma ser muito agressivo nesses casos. “Mesmo se matarmos o verme, ele pode gerar inflamações durante sua decomposição”, explica o veterinário Eduardo Lipparelli, diretor clínico do Hospital Veterinário Pet Care, na capital paulista. “Daí por que é melhor prevenir do que remediar”, arremata (saiba como fazer isso no quadro abaixo).

Leia também: Quando o coração do bicho adoece

Outros malfeitores

Continua após a publicidade

Fora o Aedes, mais duas espécies de mosquito propagam a dirofilariose: o Cullex (pernilongo comum) e o Anopheles (chamado de mosquito-prego). No entanto, várias enfermidades sérias que afligem os cães surgem em função de picadas. O mosquito-palha, por exemplo, pode carregar um protozoário por trás da leishmaniose visceral canina – mal que abala rins, fígado, estômago, coração e até medula óssea. O jeito é ir ao veterinário para resguardar seu amigo de quatro patas dessa e de outras encrencas.

Leia também: Obesidade, um problemão entre cães e gatos

Xô, mosquito!

A primeira regra é eliminar quaisquer focos de criadouro do Aedes. Além disso, coleiras repelentes ajudam a proteger os cães – só não os deixe mordê-las, já que possuem compostos tóxicos. “Também recomendamos medicações preventivas que eliminam as larvas antes que elas fiquem adultas”, complementa Lipparelli.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.