Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Gato também tem diabete…

...e a prevenção e o controle do problema dependem muito dos donos

Por Débora dos Santos (colaboradora)
Atualizado em 30 abr 2021, 16h00 - Publicado em 11 Maio 2015, 09h08

A Sociedade Inernacional de Medicina Felina acaba de elaborar um guia de medidas para diminuir o risco de o bichano se tornar diabético ou, caso já tenha o diagnóstico, afastar as complicações desse quadro. Entre as principais recomendações, a entidade destaca a necessidade de os donos combaterem o ócio e o ganho de peso dos animais – a obesidade aumenta em quatro vezes a probabilidade de um gatinho desenvolver diabete. Outra orientação fundamental  é zelar por hábitos alimentares saudáveis, sem extravagâncias. O veterinário Marcelo Conte, do Hospital Veterinário Sena Madureira, na capital paulista, exemplifica: “É preciso  preciso tomar cuidado com o excesso de petiscos no dia a dia”. Diante da suspeita do diabete, o documento reforça a importância do acompanhamento de um especialista, que poderá receitar adaptações na dieta e até medicamentos.

Cuidados para o bichano diabético

Depois do diagnóstico, o veterinário costuma indicar a reposição de insulina, hormônio injetável que pode ser aplicado pelos próprios donos em casa. “Mas qualquer tratamento exige bastante orientação do profissional”, frisa Alessandra Vargas, sócia-fundadora da Associação Brasileira de Endocrinologia Veterinária. Além disso, rações especiais e um cronograma de atividades físicas precisam entrar na rotina. Como gatos tendem a ser mais quietinhos, é obrigação do dono tentar brincar e interagir.

O que dedura a doença

EXCESSO DE APETITE

No diabete, a glicose não é aproveitada pelas células e fica dando sopa no sangue. Com isso, o organismo do gato entende que precisa de mais e mais comida

XIXI ALÉM DA CONTA

Para eliminar essa enxurrada de açúcar na corrente sanguínea, aumenta o volume de urina que é expelido pelo bichano

Continua após a publicidade

SEDE SEM FIM

Fazendo xixi com maior frequência, o corpo do felino perde muita água. Aí, rumo à desidratação, o animal sente uma sede insaciável.

FRAQUEZA E DESÂNIMO

Gatos já são mais reservados por natureza, mas, uma vez sem energia, eles podem ficar reféns de fadiga muscular… com isso, ignoram as brincadeiras.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.