Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Um novo remédio contra o Alzheimer surge no horizonte

Ele demonstrou desacelerar a progressão dos sintomas e reduzir níveis da proteína que destrói os neurônios. Confira esta e outras novidades contra a doença

Por Chloé Pinheiro Atualizado em 6 jul 2021, 10h49 - Publicado em 5 jul 2021, 18h07

A busca por um medicamento eficaz frente ao Alzheimer é antiga. Até agora, contudo, não existe fármaco capaz de reverter ou interromper o avanço da doença, que atinge ao menos 1 milhão de brasileiros. Pois um novo candidato que avança nas pesquisas tenta, ao menos, desacelerar seus estragos.

Trata-se do donanemabe, fabricado pela Eli Lilly. Da moderna classe dos anticorpos monoclonais, moléculas que buscam alvos específicos no corpo, o remédio sobreviveu à fase 2 dos estudos, mais focada em segurança, mas que também vê eficácia. Os resultados dos testes com 250 voluntários saíram no The New England Journal of Medicine.

“O mais bacana é que ele reduziu os níveis de proteína beta-amiloide [que se acumula no cérebro de quem tem a doença] e diminuiu em até 32% o ritmo de progressão dos sintomas”, comenta o neurologista Paulo Caramelli, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Falta a prova de fogo, a fase 3, que confirma o efeito em mais gente.

Mecanismo de ação

A molécula: O donanemabe é um anticorpo desenhado para reconhecer a atacar as proteínas beta-amiloides mais “maduras”, as piores para a doença.

A beta-amiloide: Seu depósito no cérebro seria o primeiro (e mais conhecido) dano do Alzheimer. Mas há outros mecanismos envolvidos.

Continua após a publicidade

Radiação no Alzheimer?

Além dos medicamentos, cientistas buscam outras formas de amenizar sintomas comportamentais, como agressividade e agitação, em nome da qualidade de vida de quem vive com a doença.

Nessa linha, um estudo-piloto com quatro pessoas sugere que doses baixíssimas de radiação poderiam melhorar domínios como cognição, fala e movimentação. Até existe lógica por trás da história: contra-atacar os danosos radicais livres capazes de danificar os neurônios. Mas a teoria deve ser comprovada em experimentos mais amplos.

Para facilitar a consulta

O laboratório brasileiro Prati-Donaduzzi lançou um diário por meio do qual cuidadores de pessoas com Alzheimer podem registrar detalhes da rotina, como horários de medicação, comportamentos, estado do sono e humor.

O acompanhamento próximo, de preferência multidisciplinar, faz diferença, assim como chegar ao médico munido de informações mais precisas. O diário está disponível online.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês