Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O que é malária: sintomas, tratamento e prevenção

Essa infecção transmitida pelo mosquito-prego segue afetando muitos brasileiros — inclusive a atriz Camila Pitanga. Veja como evitar ou tratar a malária

Por Da Redação Atualizado em 13 ago 2020, 20h05 - Publicado em 11 ago 2020, 14h54

A malária, doença com a qual a atriz Camila Pitanga e sua filha foram diagnosticadas, é causada por quatro protozoários do gênero Plasmodium (no Brasil, os mais comuns são o P. vivax e o P. falciparum). Entre os sintomas, ela pode causar febre alta, calafrios, tremores, dor de cabeça, náuseas… Em situações mais graves, às vezes evolui para hemorragias, convulsões e mesmo morte. Mas há bons tratamentos contra essa encrenca.

Em 2014, foram registrados no país 143 mil episódios. Em 2018, o número saltou para quase 195 mil, de acordo com o Ministério da Saúde. Mais de 99% das ocorrências estão concentradas na região amazônica. A seguir, saiba mais sobre o problema.

O que é a malária e como ela é transmitida?

A transmissão acontece quando uma pessoa é picada por um mosquito do gênero Anopheles (o popular mosquito-prego) contaminado. Também é possível pegar a doença por meio do contato direto com o sangue de um indivíduo que carrega o protozoário. Embora isso seja menos comum, pode ocorrer com o compartilhamento de seringas entre usuários de drogas, por exemplo.

Depois que invade o corpo, o parasita chega até o fígado, onde começa a se multiplicar. Daí em diante, ele invade a circulação sanguínea e ataca os glóbulos vermelhos.

Essa enfermidade é considerada endêmica nos estados da Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima). Regiões específicas de Maranhão, Tocantins e Mato Grosso também entram na lista.

Em seu perfil oficial no Instagram, Camila Pitanga disse que estava isolada em uma região de Mata Atlântica do litoral norte de São Paulo quando foi infectada. E realmente há casos de transmissão de malária nessa área, apesar de isso ser menos comum.

Sintomas e complicações da malária

  • Febre alta
  • Calafrios
  • Sudorese
  • Dor de cabeça
  • Náuseas
  • Cansaço
  • Falta de apetite

Entre o momento da infecção e o início de sintomas, podem se passar de oito a 30 dias — ou até mais, dependendo do Plasmodium causador da malária, do sistema imunológico do paciente e por aí vai.

Sem um tratamento precoce, o risco de agravamento da infecção aumenta consideravelmente. Com a destruição das hemácias, surgem anemia, insuficiência renal, hemorragias, convulsões etc. Vários órgãos do corpo podem ser comprometidos nesse cenário. Daí a importância de, ao apresentar sintomas suspeitos, conversar com um médico.

Crianças, gestantes, idosos e indivíduos debilitados por outras doenças são mais vulneráveis a essa versão severa da malária.

Continua após a publicidade

Como evitar

Embora existam pesquisas em andamento, não há uma vacina contra a malária. A prevenção consiste em medidas que impedem as picadas do mosquito-prego.

Especialmente em regiões endêmicas, vale ter cautela ao frequentar criadouros naturais de mosquitos, como beiras de rio e áreas alagadas. Tenha atenção redobrada do fim da tarde até o amanhecer, quando esse inseto circula em maior número. Usar roupas compridas ajuda bastante, assim como aplicar repelentes. Instalação de telas anti-insetos e mosquiteiros são outras opções.

O tratamento da malária

Há diferentes remédios anti-maláricos. O subtipo do parasita, a severidade do quadro e características do próprio paciente (como idade e peso) influenciam na decisão do médico. Os comprimidos são oferecidos gratuitamente no SUS — Camila Pitanga afirmou que foi tratada na rede pública.

Com diagnóstico precoce e adesão adequada ao tratamento, as chances de cura são grandes. Atenção: suspender a medicação só porque os sintomas desapareceram é um grande perigo. Siga à risca as recomendações do doutor.

O tratamento também envolve o controle dos sintomas e das complicações. Como os médicos fazem isso? Isso varia muito de paciente para paciente.

Pessoas que já contraíram malária algumas vezes podem desenvolver uma imunidade parcial. Ou seja, o organismo lidaria melhor com uma futura infecção, minimizando a probabilidade de sintomas mais graves. Entretanto, não há evidências de proteção completa.

Fora que uma pessoa, mesmo sem manifestar sinais claros, pode contribuir para a disseminação da doença. Para isso, basta que um mosquito Anopheles a pique e, então, repasse o protozoário para outro indivíduo.

Fontes: Ministério da Saúde e Fundação Oswaldo Cruz.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês