Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Nós e as vacinas: dever, ciência & uma dose de paixão

Nova edição de VEJA SAÚDE investiga as quedas preocupantes na imunização e o que começa a ser feito para revertê-las

Por Diogo Sponchiato
Atualizado em 30 jun 2023, 14h16 - Publicado em 17 mar 2023, 14h20

A gente pode tentar ser o mais racional possível, mas tem muita coisa nessa vida que só é movida a paixão. Beira o clichê. E talvez seja, porque tem um fundão de verdade nisso.

O cientista cético que se dedica incansavelmente a decifrar enigmas ou descobrir curas é mobilizado por uma paixão, assim como o cozinheiro que quer encantar os convidados, o atleta que se esforça para quebrar um recorde e o profissional de saúde que se empenha em salvar o paciente.

Paixão também move jornalistas. E, longe de tentar fazer apologia ou autopropaganda, constato isso no dia a dia com nossas e nossos repórteres. Especialmente Chloé Pinheiro, a autora da matéria de capa desta edição sobre a batalha pela vacinação.

Tem gente que tem tesão pelo que faz… Tanta vontade de fazer a diferença — na apuração, no texto, no mundo… — que parece entrar numa fissura. Fissura que só abranda quando a reportagem é publicada.

Chloé é dessas apaixonadas pela causa. Tornou-se uma das principais jornalistas a cobrir a Covid-19 no Brasil e se juntou à missão de defender a ciência e as medidas em prol da saúde coletiva desde então.

+ LEIA TAMBÉM: Livro investiga as origens da pandemia de Covid-19

Chegou a ser xingada e criticada por isso — assim como criticou e xingou quem espalhou absurdos ou fake news em meio à pandemia. Se indispôs com gente próxima porque imaginou que seu dever profissional e cívico era algo maior.

Continua após a publicidade

Escolhas. A escolha de se aprofundar num fenômeno que se disseminou pelo Brasil feito o vírus — o tratamento precoce, descartado por estudos — a fez escrever, junto ao farmacêutico Flavio Emery, o livro Cloroquination (Paraquedas).

A dedicação traz recompensas. Chloé foi convidada a participar de um projeto internacional do prestigiado Pulitzer Center, nos Estados Unidos, que somou subsídios ao trabalho que ela agora apresenta aos nossos leitores: uma investigação sobre por que as taxas de vacinação despencaram no Brasil nos últimos anos.

Essa história tem a ver com ciência, política, economia, cultura, comportamento, crença e informação. A jornalista percorreu de São Paulo a João Pessoa, passando por Brasília e ouvindo mais de 25 pessoas, para entender por que um país antes referência em imunização amarga derrotas e desafios nesse mesmíssimo campo.

E aproveita o novo movimento do Ministério da Saúde para reatingir as metas de cobertura vacinal e o cinquentenário do Programa Nacional de Imunizações (PNI) para mostrar o que precisa mudar se quisermos continuar salvando vidas e o bem-estar social.

Como deixa evidente o empenho de Chloé Pinheiro, essa é uma batalha movida por ciência e paixão. Também podemos fazer parte dela.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: A matemática por trás das vacinas

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Prescrições do editor

Ciência, imaginação, reflexão e autocuidado em suas próximas leituras

Sob efeito de plantas

Autor: Michael Pollan
Tradução: Rogério W. Galindo
Editora: Intrínseca
Páginas: 320

Como o ópio da papoula, a cafeína do chá e do café e a mescalina de certos cactos mexeram com o mundo e a cabeça das pessoas.

Sob efeito de plantas

capa do livro

Continua após a publicidade

Pandora

Autora: Ana Paula Pacheco
Editora: Fósforo
Páginas: 136

Um romance brasileiro sobre a panela de pressão mental e as válvulas de escape em tempos (sur)reais de pandemia.

Tio Zulmiro não se chamava assim

Autor: Jacyr Pasternak
Editora: Reformatório
Páginas: 184

Uma crônica ácida e bem-humorada sobre a sociedade brasileira nos tempos de desgoverno e charlatanismo que marcaram a Covid-19 no país.

Continua após a publicidade

Tio Zulmiro não se chamava assim (Reformatório)

capa do livro

Calma. Workbook

Autor: Christopher Hutcheson
Tradução: Luciane Gomide
Editora: Latitude
Páginas: 192

Um caderno de atividades guiadas para quem quer botar a mão no lápis e na massa e domar melhor sua ansiedade.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.