Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Covid-19 pode causar dificuldade para engolir

A chamada disfagia seria provocada pelos efeitos do coronavírus em si ou por procedimentos como a intubação prolongada

Por Alexandre Raith, da Agência Einstein* 6 ago 2021, 12h06

Algumas pessoas com Covid-19 têm apresentado disfagia, que é a dificuldade para engolir alimentos, líquidos ou saliva. Esse problema de deglutição é mais comum em quem passou por um longo período de intubação — porém, parece haver outros fatores por trás dessa consequência.

“Podemos citar o comprometimento neurológico que afeta certos pacientes e o processo inflamatório da infecção, que também atinge músculos”, informa Carolina Silvério, fonoaudióloga e coordenadora do Departamento de Disfagia da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBF). Essas duas consequências dificultam a coordenação da musculatura responsável pela deglutição, ao mesmo tempo em que a enfraquecem.

No Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, por exemplo, 29,8% dos 8 mil atendimentos fonoaudiológicos realizados desde março de 2020 para a reabilitação de pacientes com Covid-19 estão relacionados com sequelas na capacidade de deglutição e alimentação. A informação é do Jornal da USP no Ar 1ª Edição.

+ Leia também: “Precisamos criar um protocolo nacional de assistência pós-Covid”

Mas a fonoaudióloga da SBF explica que, independentemente da enfermidade, pacientes que passam longos períodos intubados e sob sedação apresentam risco de disfagia por diversos motivos. Entre eles:

• A pouca mobilidade piora a musculatura do corpo inteiro, inclusive a que participa da deglutição e da respiração

Continua após a publicidade

• Como o fluxo respiratório é direcionado do ventilador diretamente para os pulmões, as regiões faringolaríngeas (na altura da garganta) deixam de trabalhar adequadamente. Essa ociosidade, com o tempo, reduz a sensibilidade das estruturas que participam da deglutição

• O posicionamento da cânula de intubação mantém a laringe aberta e pode gerar machucados, que também dificultam o ato de engolir um alimento ou líquido.

É importante destacar que nem todos os pacientes intubados ou com Covid-19 sofrem com a disfagia. No entanto, Carolina alerta que o risco de entrada de saliva, líquidos e alimentos nos pulmões é consideravelmente maior nesses contextos.

“A literatura anterior à Covid-19 aponta que a prevalência da disfagia após a extubação é de 62% entre os pacientes críticos”, afirma. “Boa parte pode apresentar uma resolução total após a reabilitação. Mas alguns seguem com a disfagia”, pondera. Nesses casos, sondas ou outras formas alternativas de alimentação são cogitadas.

Depois da extubação, a reabilitação fonoaudiológica consiste em oferecer alimentos mais fáceis de serem engolidos, o que pode incluir mudanças de preparo. O uso de manobras para estimular a deglutição adequada e a realização de exercícios específicos também fazer parte do programa. Só um especialista capacitado é capaz de avaliar cada caso e dar início ao tratamento mais adequado.

*Esse conteúdo foi publicado originalmente na Agência Einstein.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade