Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como a internet influencia o tratamento da doença inflamatória intestinal

Estudo pioneiro feito no Brasil se debruça sobre essa questão e suas implicações no estado mental dos pacientes e na relação com o médico

Por Diogo Sponchiato 1 Maio 2021, 12h14

Digamos que, nos dias de hoje, qualquer médico está sujeito a disputar a atenção (e a confiança) do paciente com outro doutor, o Dr. Google. Foi partindo da observação de como se comportavam as pessoas com doenças inflamatórias intestinais na internet que a gastroenterologista Dídia Cury decidiu montar e conduzir um estudo aprofundado para examinar até que ponto as buscas pela rede e as mídias sociais impactam o tratamento e o bem-estar desses pacientes.

“Notávamos que muitos pacientes chegavam até nós por causa da internet, utilizavam bastante as mídias sociais e o Google para procurar sintomas e tirar dúvidas, enquanto outros queriam, com base nas informações encontradas, se medicar ou mudar o tratamento”, conta a médica, que dirige o Centro de Doenças Inflamatórias Intestinais da Clínica Scope, em Campo Grande (MS), e é professora visitante do Centro de Crohn e Colite do Brigham and Women’s Hospital da Universidade Harvard, nos Estados Unidos. “Minha curiosidade inicial era saber como o Dr. Google influenciava essas pessoas no tratamento e, num segundo momento, pensamos em investigar também se ele afetava o grau de estresse e ansiedade delas.”

A doenças inflamatórias intestinais (DII) são problemas de saúde crônicos marcados, como o nome sugere, por uma inflamação no aparelho digestivo — nem sempre limitada ao intestino — e, em algumas situações, repercussões mais sistêmicas. Quem convive com elas costuma sofrer com dores, diarreias, constipação, entre outros perrengues. Os dois principais quadros de DII são a retocolite ulcerativa e a doença de Crohn.

Depois de reunir dados suficientes, Dídia procurou dois jornalistas especializados em mídias sociais e montou um questionário para aplicar na pesquisa. E, de olho no estado mental dos pacientes, se conectou com um psiquiatra para identificar a melhor forma de averiguar o grau de ansiedade e estresse que a web podia desencadear. Por fim, a médica buscou uma ferramenta validada para apurar também de que forma a internet mexia com a adesão medicamentosa. Aprovado em comitê de ética, o estudo entrevistou 104 pacientes com uma média de idade de 37 anos.

Consultas a um clique

Após um período de 45 dias, a médica de Campo Grande e seus colaboradores conseguiram realizar as entrevistas e mensurar os resultados. Eles descobriram que pouco mais de 70% dos pacientes usavam a internet para obter informações gerais sobre as doenças inflamatórias intestinais. E quase nove em cada dez para procurar informações sobre sintomas.

A internet, de fato, se transformou numa ferramenta do cotidiano para sanar dúvidas e vasculhar novidades sobre as DIIs: 42% dos entrevistados a utilizavam com essa finalidade uma vez por semana; 10% diariamente; 3% duas vezes por semana; e 18% uma vez por mês.

“Percebemos que o Google é a principal via de busca para essas informações”, conta Dídia. Mais de 60% dos participantes se consultavam com ele, enquanto 16,7% frequentavam grupos online de pacientes em redes como Facebook, 16,2% recorriam a sites de saúde, 12,8% a sites médicos ou de entidades médicas, 13,7% ao YouTube, 6,9% ao WhatsApp e 17,8% a sites em geral.

E o que motivava essas incursões pela web? Seis em dez pacientes buscavam complementar o conhecimento de que dispunham sobre a doença; 36,6% queriam comparar suas experiências com a história de outros portadores de DII; 12,8% procuravam saber novidades a respeito; e 12,9% davam uma checada na prescrição médica. O nível de confiança nos conteúdos consumidos foi de 64,4%.

Continua após a publicidade
  • Efeitos mentais e a relação médico-paciente

    Dídia Cury relata sempre ter se preocupado com um possível impacto negativo da internet: o aumento de insegurança, estresse e ansiedade entre os pacientes. Como se as informações ali encontradas pudessem deixá-los mais desnorteados e tensos diante da doença e seu tratamento. Mas não foi isso que os pesquisadores observaram.

    Pouco mais de 40% dos entrevistados disseram se sentir melhor após as buscas e o uso da rede para saber mais sobre o problema com o qual convivem. O percentual dos que ficavam mais estressados com isso foi significativamente menor.

    “Outro aspecto positivo que identificamos foi o fato de 43% dos entrevistados relatarem que as informações obtidas pela internet não interferiram no tratamento nem os fizeram mudar algo em relação à orientação médica”, destaca a gastroenterologista.

    Em vez de forjar uma barreira entre médico e paciente, Dídia acredita que a internet pôde, pelo contrário, estreitar a relação. Mais de 20% dos entrevistados disseram que, após as leituras pela web, conseguiram questionar ou fazer mais perguntas na primeira consulta. “Além de não aumentar o nível de estresse e ansiedade nesses pacientes, nenhum deles mudou a medicação com base no que achou pela internet”, pontua a médica.

    Essa é uma questão particularmente decisiva aos olhos da coordenadora da pesquisa. Não são poucos os profissionais que temem o abandono de um tratamento após buscas pelo Google e as redes sociais. Mas, pelo menos nesse cenário da DII (com prevalência de adultos jovens e com maior nível educacional), isso não aconteceu. “Se a relação médico-paciente está sólida, acredito que a internet não prejudicará a adesão aos medicamentos”, avalia Dídia.

    Uso a seu favor

    Da mesma forma que deparamos com conteúdos sérios e contextualizados em sites e mídias sociais, ali também podemos nos ver enredados por fake news e informações mal colocadas ou equivocadas. Por isso, a especialista em DII reforça a necessidade de priorizar sites baseados em evidência científica. “Eu recomendo e ensino meus pacientes a realizarem buscas no Pubmed [site do governo americano que reúne estudos pelo mundo]. Hoje, mesmo quem não sabe inglês pode jogar o texto num tradutor online e compreender”, diz Dídia.

    Com esse cuidado, a pesquisa indica que pacientes de uma doença crônica podem tirar bom proveito da internet. “Percebemos que ela pode ser um meio de aproximação entre o médico e o paciente. Quando o paciente chega com mais informação, ele consegue tirar melhor suas dúvidas e estabelecer um diálogo mais efetivo com o profissional, estreitando a relação”, afirma a gastroenterologista.

    Nessa linha, Dídia acredita que o estudo também vem ressaltar a importância de um relacionamento sensível e próximo entre médico e paciente. “O que mais me surpreendeu em nosso trabalho foi a força da relação humana, quando o médico olha e ouve a dor do paciente e faz uma consulta baseada em ciência. Não há informação na internet que supere essa relação. Quando o paciente se sente seguro com o médico, não haverá Dr. Google capaz de substituir isso.”

    Continua após a publicidade
    Publicidade