Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cigarro eletrônico aumenta risco de uso de maconha e álcool em jovens

Pesquisa dos Estados Unidos, que avaliou mais de 50 mil adolescentes, mostra que o consumo de vape abre caminho para jovens adquirirem outros vícios

Por Gabriela Cupani, da Agência Einstein*
8 ago 2023, 18h03

Fumar cigarros eletrônicos aumenta o risco de consumir maconha ou álcool em excesso, revela um estudo norte-americano feito na Universidade Columbia e publicado no periódico científico Substance Use and Misuse.

A pesquisa avaliou dados de mais de 50 mil jovens entre 13 e 18 anos que participaram da enquete Monitoring the Future, aplicada pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas dos Estados Unidos, que acompanha a prevalência do consumo de álcool e drogas em adolescentes.

As perguntas abordavam o consumo de nicotina, tanto em cigarros convencionais quanto eletrônicos, maconha e álcool nos 30 dias anteriores.

Enquanto aqueles que fumavam cigarros comuns tinham cerca de 8 vezes mais risco de usar maconha, o vape aumentou esse risco em mais de 20 vezes. O hábito de fumar cigarro eletrônico também multiplicou por cinco a probabilidade de um episódio de abuso de álcool no mesmo período.

“Sabe-se que o uso de drogas se inicia com substâncias consideradas mais ‘leves’ e vai crescendo para as mais pesadas”, diz a psiquiatra Jackeline Giusti, do Serviço de Psiquiatria da Infância e Adolescência do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP). “Os resultados da pesquisa mostram que o vape também pode ser considerado uma porta de entrada para outras drogas.”

+ Leia também: Cigarro eletrônico: o perigo está cada vez mais no ar

Uso crescente

No Brasil, a venda, a importação e a publicidade dos cigarros eletrônicos são proibidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

No entanto, o consumo de vape vem aumentando no país pois o produto é facilmente comprado pela internet. “Ele tem um apelo de que seria menos prejudicial, tem sabores, é feito para atrair o público jovem”, diz Giusti.

No entanto, estudos sugerem que ele causa as mesmas doenças que o cigarro comum, como asma e doença pulmonar obstrutiva crônica, além de aumentar o risco de lesões agudas no pulmão e danos cardiovasculares a longo prazo.

+ Leia também: Sem medidas de controle, mundo teria 300 milhões de fumantes a mais

“O adolescente não consegue prever consequências e não se consideram viciados, sempre acham que podem parar de usar quando quiserem”, diz a especialista.

Continua após a publicidade

Por isso, é preciso ajudá-los a se informar corretamente, dificultar o acesso ao cigarro – seja limitando saídas ou dinheiro – e sempre supervisionar suas atividades e companhias de perto, orienta a psiquiatra.

Para os autores do estudo, é preciso planejar intervenções e campanhas para reduzir o uso do cigarro eletrônico.

*Conteúdo publicado originalmente na Agência Einstein

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.