Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como flagrar precocemente a língua presa

A condição pode atrapalhar o desenvolvimento da criança. Felizmente, um teste é capaz de acusá-la na maternidade para proporcionar a correção quanto antes

Por Débora Fiorini (colaboradora) Atualizado em 26 mar 2018, 14h42 - Publicado em 3 abr 2016, 11h00

A língua presa está longe de prejudicar só a fala dos pequenos. Causa problema ainda nas primeiras mamadas. Uma série de fatores anatômicos faz com que o frênulo, fina membrana que conecta a língua ao assoalho da boca, limite os movimentos desse músculo. Aí vêm os obstáculos: o bebê não se prende direito ao mamilo e sofre para se alimentar. Como não suga o leite a contento, precisa mamar mais vezes ao longo do dia. Tudo que conspira para o desmame precoce — mais tarde, o perrengue aparece na hora de papar as comidas sólidas.

São esses entraves que o teste da linguinha vem combater. Desenvolvido pela fonoaudióloga Roberta Martinelli, do Hospital Santa Therezinha, em Brotas (SP), em parceria com outros estudiosos, o exame é feito na maternidade — e virou obrigatório por lei. “Avaliamos a fixação e a espessura do frênulo, além da forma como a língua se movimenta no choro”, explica Roberta. Tática rápida, indolor e eficaz, que fez do trabalho um dos destaques do Prêmio SAÚDE 2015.

Tratamento na maternidade

Diante do diagnóstico de língua presa, o bebê é encaminhado para um procedimento chamado frenotomia, ou pique na língua. Roberta Martinelli descreve: “Passamos um anestésico na região, levantamos a língua e fazemos um pequeno corte no frênulo”. Após o pique, o bebê é colocado para mamar no peito da mãe. Isso ajuda na cicatrização e impede que as partes recém-cortadas se grudem.

Entre os grandinhos

O ideal é que o pique seja realizado até 1 ano – quanto mais tempo passar, maior o comprometimento. Para crianças mais velhas, indica-se a cirurgia de retirada total do frênulo, com o apoio de sessões de fono.

Leia também: Pesquisa brasileira associa o aleitamento materno a um maior QI e a um melhor nível de escolaridade lá na vida adulta

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês