Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Virosfera

O mundo também é dos vírus. E o virologista e especialista em coronavírus Paulo Eduardo Brandão, professor da Universidade de São Paulo (USP), guia nosso olhar sobre esses e outros micróbios que circulam por aí.
Continua após publicidade

Eris: estamos diante do coronavírus da discórdia?

Nova variante e temor de outra onda de Covid-19 voltam a colocar o assunto em pauta  — mais um sinal de que a pandemia não acabou ainda

Por Paulo Eduardo Brandão
Atualizado em 13 set 2023, 09h48 - Publicado em 13 set 2023, 09h46

Cada vez que o vírus SARS-CoV-2, o causador da Covid-19, mostra uma nova cara e volta a ser notícia, parece que algo completamente inesperado foi descoberto.

Uma nova subvariante ganha espaço… Primeira página em jornais, revistas e portais no mundo todo! E a doença indo e vindo em ondas? Que coisa mais imprevisível, né?! Só que não!

Vírus mutam. Os coronavírus mutam bastante.

O estranho seria não encontrar mutações entre o SARS-CoV “raiz” lá de 2019 e o de hoje. Mudar rapidinho é o que dá sucesso aos vírus na luta pela vida, como diria Charles Darwin, já que um ou outro mutante pode superar as mudanças que ocorrem no seu habitat natural, o organismo dos seus hospedeiros – neste caso, mais comumente, nós.

Continua após a publicidade

Os mutantes escalam o pico de sucesso, o habitat imunológico de nosso corpo se curva acompanhado as mudanças. Conforme nossa imunidade se encolhe ao longo de uns meses, as portas se abrem para uma nova invasão de SAR-CoV-2 e uma nova onda de Covid-19 pode vir, “resetando” o ciclo.

Tudo isso já era de conhecimento científico bem sólido nas décadas de observação de outros coronavírus em seres humanos e outros animais. E muito antes que o SARS-CoV-2 fosse encontrado.

Isso nos traz a subvariante mais popular no momento, a EG.5, ou Eris. O nome vem da deusa grega Eris, a deusa da discórdia, e a subvariante em si vem da Ômicron e foi achada pela primeira vez em 17 de fevereiro de 2023. Agora está envolvida em quase um quinto dos casos de Covid notificados.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Estamos diante de uma nova onda de Covid-19?

Claro que, graças à vacinação, a gravidade dos episódios decaiu, mas mudanças da proteína de espícula do SARS-CoV-2, aquela que parece uma tulipa grudada no vírus, fazem com que o “botão” dessa estrutura molecular se dobre de um jeito meio diferente, mais ou menos como uma mesma folha de papel pode ser usada para fazer origamis diferentes.

E daí? Daí que tais mutações e transformações na espícula são as cordas que o SARS-CoV-2 usa para escalar o pico do sucesso, já que os anticorpos contra a versão antiga não bloqueiam a versão nova do vírus tão bem. Mas espere.

Continua após a publicidade

Não está tudo perdido para nós. Primeiro, porque temos anticorpos contra outras partes da “tulipa” proteica dos SARS-CoV-2 que não mudaram, anticorpos esses que ficam mais e mais concentrados à medida que nos infectamos ou nos vacinamos.

Segundo, porque a proteção não é só responsabilidade dos anticorpos, mas também de células do sistema imune, como linfócitos, que são treinadas para buscar e destruir o SARS-CoV-2 atraídas pela espícula e demais proteínas escondidas do coronavírus.

Não há demonstração de que a Eris tenha algo que a torne mais transmissível; mas pode ser que ela esteja sendo mais transmitida e, aí, há uma enorme diferença, pois a culpa recai sobre nós mesmos, já que baixamos a guarda e nos esquecemos de que a pandemia não acabou.

Continua após a publicidade

As vacinas contra Covid-19 continuam funcionando contra todas as variações desse vírus. O mesmo vale para as máscaras, para a higiene das mãos e para os antivirais (exceto aqueles baseados em anticorpos, como monoclonais e plasma).

+ LEIA TAMBÉM: Outros artigos da coluna Virosfera

A subvariante Eris não trouxe a discórdia.

Continua após a publicidade

Ela já estava presente desde o momento em que os primeiros pacientes foram diagnosticados com a infecção há quase quatro anos. Estamos ainda sob a influência do negacionismo e das fake news não só nesse terreno, como também em relação a outras doenças e áreas da ciência.

Nosso mundo atual é a consequência de nossa natureza atual, e temos que lembrar sempre o que escreveu o pensador americano Robert Green Ingersoll no século 19: “Na Natureza, não há recompensas nem punições, apenas consequências”.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.