Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Prato de Criança Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Mariana Del Bosco é nutricionista expert em alimentação infantil e mãe da Alice e da Isabel. Por aqui ela traz as lições da ciência e da experiência (de casa e do consultório) para a criançada comer melhor
Continua após publicidade

Faz sentido cortar glúten e caseína para ajudar no tratamento do autismo?

Nossa colunista fala sobre o impacto das restrições alimentares na rotina de pacientes dentro do espectro

Por Mariana Del Bosco
28 abr 2023, 16h10

Cerca de 25% das famílias que convivem com o transtorno do espectro autista (ou TEA) buscam estratégias alternativas de tratamento e, entre elas, estão alterações na alimentação.

Nesse sentido, dois tipos de dieta se popularizaram: uma restrita em glúten (que é uma proteína encontrada no trigo, no centeio e na cevada) e outra restrita em caseína (que é uma proteína do leite).

Entretanto, essas intervenções alimentares estão longe de representarem um consenso entre os especialistas. E vou trazer alguns pontos para entendermos o porquê.

+ Leia também: Abril Azul: a alimentação pode ajudar no tratamento do autismo?

Sempre que pensamos numa estratégia de tratamento, mesmo que seja dietético, é preciso ter a evidência de sua eficácia e de sua segurança.

Continua após a publicidade

E esses dados não vêm de casos de sucesso de prática clínica nem mesmo de publicações cientificas que tenham baixo nível de evidência.

Para entendermos a real eficácia e segurança de uma intervenção, precisamos de estudos bem desenhados, que consigam isolar outras variáveis capazes de interferir no desfecho.

Além disso, é importante contar com um número de participantes representativo e com um grupo suficientemente homogêneo, para que possamos extrapolar esses resultados para a população.

Compartilhe essa matéria via:

Aí sim, temos uma validação da estratégia.

Atualmente, os resultados das pesquisas que avaliam os impactos da retirada dos alimentos com glúten e leite para indivíduos dentro do TEA são controversos.

Há uma tese de que o glúten e a caseína poderiam, por um mecanismo ainda pouco elucidado, gerar algum processo inflamatório, intensificando a manifestação de comportamentos neuroatípicos.

+ Leia também: Doença celíaca: sintomas, alimentação, diagnóstico e tratamento

Continua após a publicidade

Mas os estudos de alta qualidade não demonstraram essa associação.

Vale destacar, entretanto, que se o paciente tiver alergia à proteína do leite de vaca, alergia à trigo ou doença celíaca, o consumo desses alimentos irá causar desconforto. Aí, sim, poderemos ter a exacerbação de alguns sinais associados ao TEA.

Os estudos, atualmente, também não deixam claro se as alergias e intolerâncias alimentares são mais prevalentes dentro do espectro, mas o fato é que, se houver o diagnóstico de alergia alimentar ou de doença celíaca, a retirada do alimento agressor será necessária.

Em alguns casos, exames podem ajudar a fechar o diagnóstico. Mas, na maioria das vezes, é a dieta de exclusão seguida do teste de provocação oral (com a nova exposição ao alimento) que elucidam a necessidade de se manter ou de se suspender a dieta.

Continua após a publicidade

Para isso, é preciso ter acompanhamento com médico e nutricionista com experiência em alergia alimentar.

O risco de cortar alimentos sem necessidade

Dentro do espectro, é comum haver algum grau de seletividade alimentar.

E a restrição da dieta, se desnecessária, incrementa o risco nutricional, já que pode limitar a participação de alimentos que são nutricionalmente relevantes na rotina e de fácil aceitação.

A dieta de restrição também traz um importante impacto social. Afinal, os lanches da escola precisarão ser diferentes do restante da turma e nem sempre haverá opções em festinhas e eventos.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Entenda as diferenças entre intolerância e alergia alimentar

Claro que, havendo necessidade, planejaremos esse percurso. Mas, e se não for?

Costumo dizer que, tão importante quanto fazer a restrição alimentar quando há clareza no diagnostico, é não fazê-la quando se descarta a hipótese de alergia ou intolerância.

Cada caso é único e precisa ser avaliado com a família e com a equipe.

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.