Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Informação, vacina, exame: a tríade contra o câncer de colo do útero

Médica chama a atenção para um problema de saúde pública que pode ser erradicado com vacinação e check-ups periódicos

Por Larissa Gomes, oncologista*
21 mar 2023, 09h09

Uma doença assombra as brasileiras, o câncer de colo de útero. A projeção para o triênio 2023-2025 é que ele atingirá mais de 17 mil mulheres no país.

O dado vem do Instituto Nacional de Câncer (Inca), que ainda aponta que esse é o terceiro tipo de tumor que mais afeta o público feminino. São cerca de 13 em cada 100 mil casos da doença.

Talvez você não saiba, mas o papilomavírus humano (o HPV) é o principal responsável pelo problema, ocorrendo em aproximadamente 99% dos casos.

A infecção pelo HPV é autolimitada e apenas 10% das pacientes terão alterações capazes de evoluir para o câncer de colo do útero. Mas, ao mesmo tempo, esse é um agente infeccioso altamente disseminado e prevalente. Em números globais, seu estrago é enorme para a saúde pública.

+ LEIA TAMBÉM: Novas fronteiras no cerco ao câncer

Daí a vacinação ser um recurso de extrema importância na prevenção do tumor. Hoje, ela está disponível de forma gratuita pelo SUS a meninas e meninos na faixa de 9 a 14 anos. E pessoas de outras idades conseguem se vacinar na rede particular.

Continua após a publicidade

Mais recentemente, a vacinação também se estendeu às pessoas que moram ou convivem com imunossuprimidos pelo vírus HIV, transplantados ou portadores de outros tipos de câncer até os 45 anos.

É estimado que oito em cada dez mulheres tenham contato com o HPV em algum momento da vida por meio de relações sexuais (cabe lembrar que o preservativo não inibe completamente a transmissão). Embora a imunização não proteja contra os 150 tipos do vírus, ela é capaz de barrar os tipos 16 e 18, responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo do útero.

Além da vacinação, o papanicolau é um exame essencial ao diagnóstico precoce. Ele permite identificar antecipadamente lesões pré-cancerosas, geralmente descobertas com maior frequência que a doença em si.

O exame é recomendado dos 25 aos 64 anos de idade, anualmente e, depois, a cada três anos, mesmo que a mulher já seja vacinada contra o HPV.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Apesar de a maioria dos episódios de câncer de colo do útero ocorrer entre 35 e 44 anos, o problema pode acontecer em qualquer idade. E, na fase inicial, a doença costuma ser assintomática. Às vezes pacientes relatam dor na relação sexual ou sangramento vaginal não relacionado à menstruação.

Nos casos avançados, porém, há anemia, perda de peso não justificada, problemas urinários e intestinais, dor nas pernas, fraqueza… Nenhum sintoma deve ser ignorado. E, quanto antes descobrirmos a doença, maiores as chances de sucesso no tratamento.

No entanto, podemos nos antecipar, fazendo check-ups periódicos e vacinando a população contra o HPV. Cuidado com as fake news sobre câncer e vacina. Lembre-se de que a informação confiável é um recurso fundamental para a prevenção e o diagnóstico precoce.

Compartilhe essa matéria via:

* Larissa Gomes é oncologista da Oncoclínicas, em São Paulo

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.